CinemaCríticas de CinemaDestaquesTVCine e SériesThe Tale – Urgente, verdadeiro e importante

Aplaudido no Festival de Sundance de 2018, The Tale estreia agora em Portugal nos canais TVCine. Numa determinada cena de Lost Highway: Estrada Perdida, excelente filme de culto de David Lynch, tomamos conhecimento de que o personagem do Bill Pullman detesta câmaras de vídeo. O motivo? Gosto de recordar as coisas à minha maneira… Como as recordo. Não como aconteceram exatamente.   Baseado numa história verídica, The Tale é uma obra profundamente delicada sobre a natureza das...
Alex Vieira Alex VieiraJun 21, 201811 min

Aplaudido no Festival de Sundance de 2018, The Tale estreia agora em Portugal nos canais TVCine.

Numa determinada cena de Lost Highway: Estrada Perdida, excelente filme de culto de David Lynch, tomamos conhecimento de que o personagem do Bill Pullman detesta câmaras de vídeo. O motivo?

Gosto de recordar as coisas à minha maneira… Como as recordo. Não como aconteceram exatamente.  

Baseado numa história verídica, The Tale é uma obra profundamente delicada sobre a natureza das memórias e como estas influenciam a nossa perspetiva face à vida. Jennifer Fox (Isabelle Nélisse) teve a sua primeira experiência sexual quando tinha 13 anos. Na altura, para ela, era amor. Agora, enquanto adulta (Laura Dern), navega pelas suas recordações e apercebe-se de que tudo foi mais sombrio do que pensava. É um choque. Tudo é confuso. O seu passado encontra-se distorcido. O que se passou? O que não se passou?

Professora universitária e documentarista, Jennifer é uma personagem extremamente complexa. Ela adora conhecer novas histórias bem como explorar e abraçar a essência de uma pessoa. Um ser humano, portanto, ligado à humanidade.

No entanto, quando olha para a sua própria vida, sente um abalo emocional. Tenta convencer-se de que as suas lembranças são positivas e não quer admitir que foi vítima de abuso sexual por parte do seu antigo treinador de equitação (Jason Ritter). O seu marido (Common) e a sua mãe (Ellen Burstyn) demonstram compaixão e querem ajudar, mas Jennifer, embora surpreendida ao dar-se conta da idade que, de facto, tinha na altura, sente-se irritada e afirma que os tempos eram outros.

Vê também: Ocean’s 8 – Os Diamantes de Hollywood

Ao fim de um tempo, porém, a protagonista toma consciência de que algo tem de ser feito. Quando se cruza com agentes do passado, compreende que os factos não são fáceis de encarar. E se houve outras vítimas? O que fazer? São os dilemas de uma difícil jornada pelo passado. Jornada essa que ecoa violentamente no presente.

E o mais arrepiante de tudo é que este filme é autobiográfico.

Sim. Escrito e realizado pela própria Jennifer Fox (!!), The Tale é uma obra urgente, que se assume como uma autêntica bomba, especialmente nestes tempo em que o abuso sexual é um tema que está cada vez mais a ser debatido.

the tale

Fox assume-se como uma cineasta sólida e que traz para a sua metragem uma linguagem intrigante e inteligente. À vista disso, quase sempre a serviço da trama, as transições entre o passado e o presente são constantes e orgânicas. Como se não bastasse, a realizadora utiliza um recurso que enriquece a experiência substancialmente: os flashbacks são encarados, de facto, como memórias, que, como tais, não são 100% confiáveis. Então, quando a personagem principal se lembra de um detalhe, como por exemplo a idade que tinha ou se a lareira estava acesa naquele dia ou não, as analepses repetem-se mas agora com determinados elementos modificados. Ainda, o filme investe em cenas em que uma voz off screen entrevista pessoas que estão relacionadas à infância de Jennifer, o que emprega uma certa abordagem documental à narrativa.

Longe de ser perfeito, contudo, The Tale agarra-se demasiado aos convencionalismos técnicos dos telefilmes ao mesmo tempo que apresenta alguns deslizes no argumento, como aquele momento em que Jennifer, em plena sala de aula, pergunta a uma aluna sobre a sua primeira experiência sexual. Um momentos absurdamente inverossímil, desnecessário, óbvio e que até chega a prejudicar o próprio desempenho da Laura Dern.

the tale

Infelizmente, o desfecho do filme é extremamente anticlimático, uma verdadeira desilusão. Tudo soa tão inconcluso que até me pergunto se a equipa ficou sem orçamento para finalizar o projecto.

Mesmo assim, The Tale trata, em primeira pessoa, de uma realidade dura e que não pode ser ignorada. Uma história, no meio de tantas, que abre muitas discussões. 

Alex Vieira

Alex Vieira

Um ser que pensa que percebe de cinema e da vida.