Beyond The Title ArtCinemaDestaquesBeyond The Title Art: Tom O’neill (Narcos)

Portuguese version (If you want to see in English, you have to scroll down) O Beyond The Title Art é um espaço dedicado a todo um mundo por detrás desta arte que são os genéricos de séries e cinema. Para mim, o genérico é algo que, quando vou ver um filme ou uma série, não posso passar à frente (é regra). Toda a imagética e a música evidenciam imediatamente o tom da narrativa e sou mais...

Portuguese version (If you want to see in English, you have to scroll down)

O Beyond The Title Art é um espaço dedicado a todo um mundo por detrás desta arte que são os genéricos de séries e cinema.

Para mim, o genérico é algo que, quando vou ver um filme ou uma série, não posso passar à frente (é regra). Toda a imagética e a música evidenciam imediatamente o tom da narrativa e sou mais facilmente transportado para aquele mundo, para aquela história. Na minha opinião, os genéricos são necessários para nos ambientarmos à série ou filme em questão.

Nesta segunda entrevista, conversei com Tom O’neill, que esteve também nomeado este ano a um emmy, com o genérico Narcos. Tom O’neill é a mente por detrás do genérico da série de sucesso da Netflix –  Narcos.

Tom, fala-nos um pouco sobre aquilo que tu fazes e sobre ti mesmo.

Bem, o meu nome é Tom O’neill, sou de Sidney, Austrália, onde cresci. Vivo agora em Los Angeles. Sou diretor criativo de imagem em movimento (principalmente), com experiência em design e animação.

Podes falar-nos sobre o teu background em arte e design?

Arte era uma das poucas disciplinas da qual desfrutei no secundário. Passei, então, a estudar design de produto na universidade e trabalhei durante algum tempo na área. Gostei mais das componentes de design gráfico e embelezamento do produto, mas o lado técnico interessava-me menos. Voltei a estudar, desta vez animação e VFX, e, pouco tempo depois, consegui o meu primeiro trabalho em motion graphics.

Qual é a tua opinião acerca desta área, considera-la competitiva?

Muitas produções consideram que ter um genérico é um luxo, por isso, pode ser uma sorte quando temos oportunidade de trabalhar nisso. A maioria das lojas irão sempre complementar com outro trabalho no espaço digital, publicidade, social, experiencial, realidade virtual e trabalho de exibição, para pagar as contas.

Sei que trabalhaste no genérico de Narcos. Podes falar-nos um pouco acerca do processo por detrás do teu desenvolvimento?

Bem, começou com reuniões e a ouvir a surpreendente canção «Tuyo!». Podem ver mais sobre o desenvolvimento noutras fontes. (Clica Aqui)

Onde encontraste a inspiração para este genérico?

«Através da magia do realismo e das coisas efémeras do período

Como é que é feita a transição do processo do design para a animação (movimento)?

São reunidas referências extensas, styleframes e boards são criados, e há uma constante evolução em sequência/ordem. São feitos testes de animação, e, às vezes, criamos uma animação dos frames para ver como se comportam em movimento e com música. A composição de nomes e a seleção de fontes também fazem parte do processo. Assim que as cenas são aprovadas, começamos, muitas vezes, por animar em secções.

Tiveram de filmar na Colombia, certo? Que partes do genérico foram filmadas lá?

Sim, a cena aérea de Medellin, no título de «Narcos», a cena do carro a arder, e outras cenas da baixa de Medellin.

narcos_makingof_hacienda_comp_v02A cena do carro é verdadeira? Podes contar-nos como foi feita?

Sim, a cena é verdadeira. Mas, o fumo, o fogo e a placa foram expandidas com recurso a C4D (X-Particles e turbulence FD) e After Effects.

De todos os trabalhos em que estiveste envolvido, qual foi o teu favorito?

Não tenho favoritos, somente o próximo projeto fixe no qual me posso focar.

Sendo eu também um «junior» motion designer/designer, gostaria de saber que conselhos poderias dar a outros jovens que, como eu, estão a começar as suas carreiras.

Continuem a praticar a vossa arte e não se esqueçam do básico – boa composição e narrativa.


ENGLISH VERSION

Beyond The Title Art is an area dedicated to an entire world behind this art of movies and series main titles.

For me, the opening sequence is something that I can’t get ahead of (and that’s a rule) everytime I see a movie or a series. All the music and imagery immediately reveal the tone of the narrative and more easily transport me to that world, to that story. In my opinion, open sequences are necessary to create a mood for the series or movie in question.

In this second interview I talked with Tom O’neill, who was also nominated to an emmy with the Narcos opening sequence. Tom O’neill is the mind behind the Narcos opening sequence.

Well Tom, can you talk a little bit about yourself and about what you do for a living?

My Name is Tom O’Neill, Im originally from Sydney (Australia) where I grew up. I now in live in Los Angeles. I’m a director of moving image primarily with a background in design and animation.

Can you talk about your art and design background?

Art was one of the few subjects I enjoyed in high school. I went on to study product design at university, and worked for a short while in the field. I enjoyed more the graphic design components and beautifying of the product but the technical side interested me less. I studied again this time animation and vfx, and soon got my first motion graphics job soon after.

What do you think about this area, do you think that is a competitive area?

Many productions see it as a luxury to have a title sequence, so it can be lucky when you get a chance to work on them, most shops will always supplement with other work in the digital space, advertising, social, experiential, VR, and exhibition work to pay the bills.

We know your work in Narcos Opening Sequence, can you tell us a little about the process behind the development?

It started with meetings and listening to the amazing song «Tuyo!». Lots more about development is available to read elsewhere… (Click Here)

Where do you find your inspiration for this Opening Sequence?

«Magical realism and the ephemera of the period.»

How do you do the transition from the designing process to motion?

Extensive reference is collected, styleframes and boards are created, and constantly evolving in sequence/order. Animation tests are executed, and we often create an animatic of the frames to see how it feels in motion and to music. Typesetting names and selection of font is process, as shots are approved we begin animating often in sections.

You have to shoot in Colombia right? So, which parts of the sequence were shot there?

Yes, the aerial photography shot of Medellin the Narcos title card, the burning car shot, and some other shots of downtown Medellin.

narcos_makingof_hacienda_comp_v02

The shot of the burning car are real? Can you tell us how did you create that?

Yes, this is a real shot but the smoke, fire and plate were extended using C4D (x-particles and turbulent FD) and after effects.

Off all the works you were involved in, what is your favorite?

I have no favorites, only the next cool project I can focus on!

Can you give any advice to others juniors motion designers/designers, who are beginning their careers?

Keep practicing your craft but don’t forget the basics – good composition and story telling!