Conteúdo Exclusivo:

Netflix Portugal, as estreias em Outubro 2022

O Outono está aí à porta e a traz...

VÓRTICE é o grande vencedor do Prémio SCML MOTELX

Já são conhecidos os vencedores da 16.ª edição do...

Diário de um Gigolô é baseada em fatos reais?

A nova série mexicana da Netflix intitulada de "Diário...
Início Site

Netflix Portugal, as estreias em Outubro 2022

0
Protagonistas d'O Clube da Meia-Noite

O Outono está aí à porta e a traz novidades fresquinhas. Confere em primeira mão o que poderás adicionar desde já à tua lista, de forma a não perderes nenhum destes lançamentos! Estas são as estreias que a Netflix Portugal tem para Outubro de 2022.

A Netflix Portugal e todas as estreias no mês de Outubro de 2022

Sendo o mês do Halloween, duas das produções mais aguardadas pelos fãs de terror são O Clube da Meia-Noite e Cabinet of Curiosities – não fossem elas criadas por dois dos grandes mestres deste género, Mike Flanagan e .

Estreias confirmadas pela Netflix para Outubro 2022

Paolo Guerrero: A Luta pela Justiça – 5 de Outubro de 2022

Baseada numa história real, esta série conta a batalha legal enfrentada por Paolo Guerreiro. O jogador peruano testa positivo para cocaína meses antes do Mundial de futebol onde o seu país já não participava há 25 anos.

High Water – 5 de Outubro de 2022

Esta minissérie contará com 6 episódios e é protagonizada por Damian Krajczyk, Agnieszka Zulewska e Tomasz Schuchardt. Inspirada em factos reais, é a primeira vez que a grande inundação que atingiu a Polónia em 1997 é adaptada num projeto de ficção. 

O Clube da Meia-Noite – 7 de Outubro de 2022

Dos produtores de “A Maldição de Hill House” e “Missa da Meia-noite“, este clube é composto por oito pacientes de uma unidade de cuidados paliativos que se juntam todas as noites (é preciso dizer a hora?) para contar histórias. Baseado na obra de Christopher Pike, O Clube da Meia-Noite é uma das estreias mais aguardadas do mês.

Os 5 melhores trabalhos como atriz de Florence Pugh

0
Florence Pugh em Midsommar

Florence Pugh é das estrelas de cinema mais populares atualmente, apreciada tanto pela crítica como pelo público. O próximo filme que vai protagonizar, Dont Worry Darling, estreia já no final de Setembro, é dos mais mais esperados deste ano. Com este artigo, vamos relembrar as 5 melhores interpretações da atriz britânica até agora, tanto no cinema como na televisão.

As 5 melhores performances de Florence Pugh

Florence Pugh em Little Women

Little Women

Little Women é o mais recente filme da galardoada realizadora e argumentista Greta Gerwig. Produção de 2019, é uma adaptação do romance homónimo de 1868 de Louisa May Alcott, que segue a vida das irmãs March desde adolescência até adultas. Florence Pugh faz de Amy March, a irmã mais nova da família. Apesar de passar parte do filme a interpretar uma rapariga de 13 anos, a atriz esteve à altura do desafio. E quando a personagem já é adulta, temos das melhores cenas da carreira de Pugh, na minha opinião. Vemos Amy a se transformar de uma miúda meio mimada e imatura a uma mulher sábia, ainda que um pouco amarga, mas retendo o seu senso de humor sarcástico. Florence foi nomeada para o Oscar de Melhor Atriz Secundária por este papel e não podia ser mais merecido!

The Little Drummer Girl

The Little Drummer Girl

Série de espionagem de 2018, inspirada no romance de mesmo nome de John le Carré. Florence Pugh é a protagonista da série, e interpreta uma jovem atriz que é recrutada pelos Serviços Secretos israelitas para se infiltrar num grupo terrorista palestiniano. Realizado por Park Chan-wook, é um thriller da Guerra Fria que lida com as tensões que existiam (e infelizmente ainda existem) entre as várias linhas políticas e religiosas em conflito. Para além disso, Pugh comanda de forma impressionante a narrativa. Acompanhada de outros atores fantásticos como Michael Shannon e Alexander Skarsgard, inegavelmente ela é a personagem com quem nos relacionamos mais. Mistura inocência e graciosidade de forma impressionante, o que nos faz sentir imenso pelas situações cada vez mais perigosas em que a personagem fica metida.

Florence Pugh em Midsommar

Midsommar

Filme de terror de 2019 de Ari Aster, dos mais populares dos últimos anos. Conta a história de Dani (Florence Pugh), que vai de férias com o namorado e os seus amigos para um festival folclórico na Suécia. Da mesma forma que a maior parte dos filmes deste género, as férias dão para o torto, neste caso envolvendo cultos pagãos e sacrifícios sangrentos. Sendo a história em si nada de muito surpreendente, Florence consegue conferir ao papel uma dimensão que a distingue da maior parte das protagonistas de filmes de terror. A sequência final do filme é bastante marcante, e demonstra a versatilidade de emoções que a atriz britânica consegue transmitir.

Florence Pugh em Fighting with My Family

Fighting with My Family

Mais um filme de 2019, desta vez vindo do comediante Stephen Merchant. Uma comédia dramática inspirada na história real da wrestler Paige, da WWE, interpretada por Pugh. Produzido por Dwayne Johnson, a narrativa segue os passos típicos de um filme de desporto. Mas a relação entre a Paige e o irmão torna o núcleo emocional desta história bastante gratificante. Pugh traz o seu carisma e também vulnerabilidade para criar uma lutadora de wrestling identificável até para pessoas que não sejam fãs de WWE.

Florence Pugh em Lady Macbeth

Lady Macbeth

Drama de época de 2016, o primeiro papel de maior relevância de Florence Pugh. Neste filme, Florence interpreta Katherine, uma jovem que se encontra presa num casamento sem amor com um homem cruel. Ao longo do filme, Katherine vai-se rebelando contra todos os que a oprimem, não olhando a limites para conseguir o que quer. Apesar de simpatizarmos com ela devido aos abusos que sofre, as decisões que toma tornam ambíguo o apoio que damos à personagem. Todas estas nuances são transmitidas de forma impecável através da performance fleumática de Pugh. O filme em si tem alguns problemas de ritmo, mas é inquestionável que a atriz britânica já aqui demonstra as suas magnéticas habilidades de acting que iriam se tornar ainda melhores ao longo dos anos.

Como usar cashback em sites de apostas online

0

O cashback em sites de apostas e como ele funciona

Ao navegar pelos melhores sites de apostas Portugal você encontrará a opção de ativar o cashback. De maneira resumida, essa oferta garante que você tenha parte do seu dinheiro apostado de volta em sua conta. Com isso, ele poderá ser apostado novamente em eventos esportivos que sejam qualificados.

Como ganhar cashback

Para ganhar cashback para apostar você precisa encontrar sites como Leon bet, por exemplo. Afinal, nem todas as casas de apostas oferecem essa promoção. Uma vez encontrada essa oferta, você poderá ativá-la em sua conta e apostar em eventos esportivos para ganhar créditos extras.

Para ganhar o cashback geralmente há termos e condições que você precisa levar em consideração. O primeiro deles é o fato de você fazer uma aposta qualificada. Essa aposta deverá ser realizada dentro dos termos e condições do cashback que você ativou em sua conta.

Como usar o cashback

Além de saber como ganhar o cashback nos melhores sites de apostas Portugal você também precisa saber como usar essa oferta. Para usá-la, basta escolher a opção de apostar usando o seu saldo do cashback em eventos esportivos qualificados. Ou seja, você precisará escolher eventos que tenham odds dentro do valor que é permitido de acordo com os termos e condições.

Ao ter saldo de cashback, basta apostar e você poderá tirar os lucros da sua aposta. Como dica final, lembre-se de ver quais são os percentuais oferecidos para o cashback que você ativou. Afinal, o valor promocional pode variar, dependendo do seu nível do programa de fidelidade, ou então do valor que você apostou.

Isso varia entre os melhores sites de apostas Portugal, portanto, leia sempre os termos e condições e saiba como ativar o cashback, qual é o prazo para utilizá-lo e quais são as condições para que você possa fazer a sua aposta usando esse saldo promocional.

VÓRTICE é o grande vencedor do Prémio SCML MOTELX

0
Banner MOTELX

Já são conhecidos os vencedores da 16.ª edição do MOTELX, que desde 6 de Setembro tem mostrado o melhor do cinema de terror nacional e internacional, num ano surpreendente e repleto de público e de fãs.

“VÓRTICE”, de Guilherme Branquinho, é o grande vencedor do Prémio SCML MOTELX para melhor curta-metragem portuguesa, na 16.ª edição do MOTELX.

Foram anunciados, durante a Sessão de Encerramento da 16.ª edição do MOTELX, na sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge, os vencedores das 5 competições do Festival.

O Prémio SCML MOTELX – Melhor Curta Portuguesa 2022 – a maior distinção concedida em Portugal para curtas-metragens (5.000€), com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que, este ano, empresta o seu nome ao prémio – foi atribuído a “Vórtice”, de Guilherme Branquinho.
O filme parte de um problema com o qual, segundo o realizador, “muitos lisboetas se identificam: não conseguir parar o carro quando se volta tarde do trabalho”. Partindo de uma ideia simples, “o filme vai gradualmente entrando numa espiral de paranóia e frustração quase psicótica”, explica.
Entre 12 curtas-metragens em competição, o júri – composto pela jornalista e pivô Maria João Rosa, a artista Surma e o programador, comissário e editor Tiago Bartolomeu Costa – escolheu “Vórtice” por transportar o espectador “numa viagem, da qual não consegue escapar do princípio ao fim – uma das coisas mais difíceis de conseguir num filme e um dos principais objectivos a atingir no género a que este festival se dedica”. Do naipe de curtas nacionais, “Reverso”, de André Szankowski, com argumento e interpretação de Afonso Pimentel, recebeu uma Menção Especial.

O mesmo painel de jurados decidiu-se ainda pelo filme francês “Censor of Dreams”, de Léo Berne e Raphaël Rodriguez, a quem foi entregue o Prémio Méliès d’argent – Melhor Curta Europeia 2022, por resumir “as ideias essenciais deste género: intuitivo, questionador, avassaladoramente desafiante, sobre a condição humana e o quotidiano”.

“Speak No Evil”, do realizador dinamarquês Christian Tafdrup, foi distinguido com o Prémio Méliès d’argent – Melhor Longa Europeia 2022. O júri formado pela jornalista, autora e radialista Ana Markl, a gestora de filmes em festivais Sélina Boye e o músico Tó Trips escolheu a obra “pela sublime forma como gere a tensão e toca nas feridas da hipocrisia das relações sociais”, e deixa um alerta: “Pensem duas vezes antes de fazer novos amigos”.

Os espectadores do MOTELX foram soberanos e votaram em “Deadstream”, realizado pelo casal norte-americano Joseph e Vanessa Winter, que ganhou o Prémio do Público da 16.ª edição do Festival.

Por fim, coube a “O Fantasma da Minha Infância”, de Carolina Aguiar, Francisco Magalhães e Pedro de Aires levar o Prémio microCURTAS, uma competição que já se tornou um culto no MOTELX e que desafia à criação de pequenas doses de terror através das novas tecnologias. A microCURTA vencedora “foi a que conseguiu encaixar uma narrativa abstracta com a instalação de medo e, acima de tudo, uma conexão emocional”, assinala o painel de jurados constituído pela criadora e realizadora Ana Correia aka Peperan, o guionista e actor André Mariño e o DJ e actor Kiko is Hot.

Sobre esta edição do MOTELX, os directores artísticos Pedro Souto e João Monteiro sublinham os “10 dias incríveis”, com “mais de 100 filmes, 70 sessões e centenas de horas de convívio cinéfilo que tanta falta nos fez nestes últimos dois anos”.

A 16.ª edição do MOTELX encerra hoje, dia 12 de Setembro, com alguns dos filmes exibidos este ano, três estreias nacionais (“Inferno Rosso: Joe D’Amato on the Road of Excess”, “A Última Praga de Mojica” e “A Praga”) e a projecção da curta e da longa europeias vencedoras, “Censor of Dreams” e “Speak No Evil”.

O MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa regressa em 2023, de 12 a 18 de Setembro, no Cinema São Jorge, para a sua 17.ª edição.

Diário de um Gigolô é baseada em fatos reais?

0
diário gigolo mexicano

A nova série mexicana da Netflix intitulada de “Diário de um Gigolô”, está a causar furor e a levantar muitas questões quanto à sua veracidade dos fatos.

A série criada por Sebastian Ortéga leva-nos através de da vida de um acompanhante que começa a descambar quando ele se envolve nos assuntos familiares de uma cliente e quebra a regra crucial de nunca se apaixonar.

série diário de um gigolô

Será a série “Diário de um Gigolô” baseada em fatos reais?

Sem grandes voltas a resposta é NÃO! A série não é baseada em fatos reais. Toda a história da série mexicana é completamente fictícia.

Criada por Sebastian Ortega, Silvina Fredjkes e Alejandro Quesada, a série chegou ao catálogo internacional da Netflix a 7 de setembro de 2022, contando com 10 episódios.

cartaz da série Diario de um Gigolo

É neste momento a série nº4 do TOP 10 da Netflix, superando grandes sucessos como “A Rainha do Sul”, “Sandman” entre outras.

Todos os episódios da série mexicana “Diário de um Gigolô” estão disponíveis na plataforma de streaming, Netflix.

 

Top 3 Astros do Cinema Que Amam Jogos de Casino

0

Os jogos de casino, como poker, blackjack e bacará, são um grande sucesso, há muito tempo, em todo o mundo. Isso ocorre na Europa, em destinos como Monte Carlo e Estoril, e na Ásia, com destaque para Macau. Mas certamente o grande símbolo dos casinos, na cultura popular, é Las Vegas. E, entre os motivos para isso, o papel do cinema americano é inegável.

Filmes como Casino (1995) e Ocean’s Eleven – Façam as Vossas Apostas (2001) ajudaram a estimular um imaginário que se mantém ainda hoje sobre a “Sin City”. Mas nem tudo é atuação na relação das estrelas de Hollywood com a cidade. Na verdade, muitos astros do cinema norte-americano são fãs de jogos de azar também na vida real.

Neste artigo, vamos falar sobre três atores em especial que se tornaram conhecidos pela paixão por jogos de casino. Eles já viraram notícia mais de uma vez pelas suas aventuras no mundo das apostas.

3 atores famosos que amam jogos de casino

Os melhorescasinosonline.com certamente oferecem muitas vantagens aos jogadores, como praticidade, variedade de jogos e bónus incríveis. No entanto, há pelo menos uma desvantagem nos casinos online, quando comparados a casinos terrestres: perder a chance de sentar a uma mesa na companhia de Ben Affleck, Matt Damon ou Bruce Willis.

É claro que esses não são os únicos exemplos de astros do cinema que frequentam cassinos em Las Vegas — e em outras partes do mundo. Mas poucos nomes se destacam tanto quanto os deles em relação à fama acumulada e ao hábito de apostar.

A seguir, contamos como é a relação de cada um deles com os jogos de cassino.

Ben Affleck

Ben Affleck é, atualmente, uma das principais estrelas do cinema americano e mundial. Ele se tornou conhecido por sua atuação no filme Dazed and Confused, de 1993. Em seguida, ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original por O Bom Rebelde (1997).

Desde então, tem participado de diversos longas de sucesso, alcançando o sucesso comercial e crítico. Alguns dos seus filmes mais bem-sucedidos são Argo (2012), pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Diretor, Batman vs. Superman (2016) e Liga da Justiça (2017).

O que nem todo mundo sabe é que, em meio a todas essas produções de sucesso, Affleck também é um jogador apaixonado de poker e blackjack. Frequentador de casinos em Las Vegas e em outras partes dos Estados Unidos, ele é assíduo no Commerce Casino, um dos principais locais para jogos de poker do mundo.

A paixão do ator levou-o a disputar torneios profissionais de poker, como o World Series of Poker e o World Poker Tour. Mas nem tudo é diversão. Em 2014, ele foi expulso do casino Hard Rock após a segurança do local detectar que ele estava a contar cartas.

Matt Damon

Matt Damon é amigo de infância de Ben Affleck. Inclusive, surgiu para a fama quase ao mesmo tempo que ele. Afinal, eles ganharam juntos o Oscar de Melhor Roteiro Original por O Bom Rebelde, de 1997. Damon ainda recebeu uma indicação para Melhor Ator. No ano seguinte, ele manteve o nome em evidência com sua participação em O Resgate do Soldado Ryan.

Ao longo das últimas décadas, Matt Damon atingiu o topo da cadeia em Hollywood. Em sua lista de sucessos, estão filmes como The Talented Mr. Ripley (1999), a franquia iniciada com Identidade Desconhecida (2002) e, claro, Ocean’s Eleven – Façam as Vossas Apostas (2001). No caminho, foi indicado outras três vezes ao Oscar, em diferentes categorias.

Não se sabe o quanto Ocean’s Eleven ou seu papel no filme Rounders (1998) influenciaram a paixão de Damon pelos jogos de azar. Mas a sua amizade com Ben Affleck certamente reforçou o hábito de apostar. O seu jogo preferido, como ocorre com muitas outras celebridades, é o poker. E ele se tornou conhecido por ganhar (e perder) grandes quantias nessa modalidade.

A primeira participação de Matt Damon no World Series of Poker (WSOP) ocorreu em 1998. na ocasião, ele teria perdido US$25 mil. Em 2010, ele voltou ao evento em uma mesa com Affleck e outros nomes conhecidos, como o ator Ray Romano. Perdeu de novo. Sua principal vitória em torneios de grande porte foi certamente a participação no evento beneficiente Ante Up for Africa, em 2009, junto a dezenas de outras celebridades.

Bruce Willis

Bruce Willis é mais uma estrela de Hollywood que dispensa apresentações. Afinal, o ator tem uma longa trajetória no cinema, iniciada ainda na década de 1980. Ele conciliou participações na tela grande com séries de televisão. O primeiro grande sucesso, inclusive, foi na TV, com a série Modelo e Detective (entre 1985 e 1989). No cinema, ele brilhou com a franquia Duro de Matar, iniciada em 1988.

As décadas seguintes foram de novos sucessos de Willis no cinema. Entre participações em filmes como Pulp Fiction (1994), Armageddon (1998) e Sin City (2014), o ator fez alguns papéis que ajudaram a despertar o seu hábito de jogo. Um deles foi Ocean’s Twelve, em 2004. Outro foi Lay the Favorite (2012), em que ele interpreta um jogador de poker.

No entanto, Willis não se limitou a jogar poker em casinos na vida real. Na verdade, ele é conhecido, também, como jogador de blackjack. Além disso, tornaram-se frequentes suas visitas a Atlantic City, um destino alternativo para os fãs de jogos de azar nos Estados Unidos. Seja como for, é presença garantida em qualquer rol dos principais astros do cinema que amam jogos de casino.

Outras estrelas que adoram jogos de azar

A lista, no entanto, pode ser bem mais longa. Na verdade, tivemos que deixar de lado diversos atores (e atrizes!) ao preparar nosso Top 3 de estrelas do cinema que amam jogos de cassino. Então, nada mais merecido que listá-los agora!

Conheça algumas outras celebridades do cinema americano que adoram fazer apostas em casinos:

  • Tobey Maguire: Famoso pelo seu papel de Homem-Aranha em alguns dos primeiros filmes da Marvel, Maguire acumulou diversos outros papéis de sucesso no cinema. Além disso, seu envolvimento em jogos de poker também teve certo destaque na mídia. Em 2011, por exemplo, ele foi condenado e teve que devolver o dinheiro ganho em jogos ilegais de poker em Beverlly Hills.
  • Leonardo DiCaprio: Leo é um grande amigo de Maguire desde a infância e, de forma semelhante à amizade entre Ben Affleck e Matt Damon, cultivou com ele uma relação de paixão pelos jogos de casino. Apesar de ser menos assíduo que Maguire, também foi noticiada a sua presença nas mesas ilegais de poker de Beverly Hills, o que o levou à mídia (mais ainda) na época.
  • Jennifer Tilly: Sucesso em filmes como O Mentiroso (1997) e Tiros na Broadway (1994), pelo qual concorreu ao Oscar de melhor atriz, Tilly jogou a carreira pro alto para se tornar jogadora profissional de poker. A influência veio da família, já que seu pai era jogador. A troca de carreira pode ter valido a pena financeiramente, já que teria ganhado mais de US$1 milhão em torneios de poker, segundo estimativas.

Certamente, há diversos outros nomes dignos de nota. Para saber mais, basta acompanhar os principais torneios de poker entre celebridades, além de notícias sobre tudo o que acontece em Las vegas!

Ganha convites para nova comédia francesa, Cada um na Sua Casa

0

Uma nova comédia francesa chega aos cinemas em Portugal. O Cinema Planet e a distribuidora PRIS Audiovisuais vão levar-te ao cinema a ver uma nova comédia, “Cada um na Sua Casa”.

Ganha convites duplos para nova comédia francesa

A nova comédia francesa estreia nos cinemas em Portugal no dia 1 de setembro, com este passatempo vais poder ver o filme em antestreia já no dia 31 de agosto.

Para conseguires ficar habilitado para um bilhete duplo, tens de seguir todos os passos que estão abaixo, resta-nos apenas desejar-te boa sorte.

Lisboa – Cinemas UCI El Corte Inglés – sala 12

Quarta-feira, dia 31 agosto, 21h30

Gaia – Cinemas UCI Arrábida Shopping – sala 1

Quarta-feira, dia 31 agosto, 21h301

 

IMPORTANTE – Regulamento

  • Para atribuição dos convites, serão apenas consideradas participações válidas, aquelas que incluam os dados pessoais solicitados, além da indicação das respostas certas.
  • O evento é privado, sendo que a admissão pode ser negada pelos responsáveis do evento, a qualquer momento.
  • Só consideramos válida uma participação por pessoa. Todas as participações repetidas, serão anuladas e o participante também.
  • No local do levantamento do convite, pode ser pedido pelo trabalhador responsável, a identificação para confirmação da presença. Só são consideradas as participações que incluam o nome completo.
  • Passatempo termina dia 29 de agosto ás 23h59.
  • Todos os convites são pessoais e intransmissíveis, sendo que só podem e devem ser levantados pelos próprios vencedores mediante apresentação de um documento de identificação dentro do prazo de validade.
  • No caso de haver desistência de última hora, o participante irá ser penalizado. O concorrente devem concorrer apenas quando sabe que irá poder usufruir do bilhete, pois, assim estará a prejudicar o Distribuidor do passatempo, o Cinema exibidor, o Cinema Planet e todos os restantes participantes que poderiam ter ganho o prémio.

The Vigil – O Despertar do Mal: Até que a Morte os separe…

0
Poster do Filme The Vigil

“The Vigil” é um filme de terror que foi lançado pela primeira vez no Toronto International Film Festival, chegando só agora a Portugal. Mas ainda bem que chegou… Este foi o filme com que Keith Thomas se estreou enquanto diretor (apesar de Firestarter ter estreado primeiro em Portugal) e honestamente, posso dizer que me apresentou algo que não estava à espera de ver.

The Vigil – O Despertar do Mal, o conto de terror judaico

“O Despertar do Mal” apresenta-nos a história de um judeu ex-hassídico, Yakov Ronen, cuja vida se encontra abalada por um misto de crise de fé, luto e doença mental. Em adição a estes obstáculos e a uma nova realidade com a qual tem dificuldade em se adaptar, Yakov é presenteado com um trabalho inesperado: ir velar um corpo de um membro da sua antiga comunidade. Infelizmente acaba por aceitar este trabalho por causa dos seus problemas financeiros (honestamente quem recusaria 400€ por uma noite de trabalho) … E como se diz em bom português: “Foi aí que se entornou o caldo”.

the vigil o filme

Não te esqueças de ver também:

No decorrer desta longa-metragem, acompanhamos Yakov nas 5 horas de velório e digo-vos já que o filme não se arrasta. Felizmente para mim (e para vós), este filme foge à regra de muitos dos filmes de terror que têm saído nos últimos anos, pelo fato de a ação não ficar reservada para os últimos minutos. Muito pelo contrário. Desde o início que a narrativa é intercalada com sustos e momentos de tensão de uma forma bem articulada, que nos faz querer saber mais enquanto nos faz “suar”. Preparem-se para não ter um momento de descanso… Não quero com isto dizer que o filme nos bombardeie com sucessivos jump scares, mas o oposto, criando continuamente momentos de tensão, os quais culminam em momentos de terror intensos. Obviamente que há alguns jump scares, mas são escassos e, na minha opinião, são justificados e bem executados.

the vigil olhar para a televisão

Algo que também me impressionou bastante, foi a incorporação da cultura judaica de uma forma tão intensa. No decorrer do filme, várias são as vezes em que as personagens falam iídiche, assim como contactamos com diversas práticas, tradições e vestimentas judaicas. Honestamente, não é algo que costume ver em filmes de terror (o terror sobrenatural tem como plano de fundo, maioritariamente o catolicismo), e fui surpreendido não só pela escolha de abordagem do realizador, como também pela execução.

O lado Técnico do filme

A nível técnico, considero que nenhuma das performances dos atores fosse má, salientando tanto Dave Davis (Yakov Ronen) e Lynn Cohen (Sra. Litvak) os quais estiveram bastante bem, sendo convincentes e contribuindo positivamente nas situações de maior intensidade.

cena do filme the vigil

As limitações orçamentais

Resumidamente, The Vigil – O Despertar do Mal é um filme que tem consciência das suas limitações (orçamentais) e não tenta compensar com CGI (mal feito como é frequente noutros filmes da mesma categoria), nem com violência extrema. Pelo contrário, abraça um terror mais minimalista, concentrando a ação praticamente toda numa só casa.

Desta forma, The Vigil – O Despertar do Mal consegue causar impacto na sua plateia, criando cenas intensas e assustadoras, complementadas com boas atuações e composições musicais (fundamentais para um bom susto). Considero este filme, uma lufada de ar fresco e um caminho na direção certa no que toca aos filmes de terror. Definitivamente não é o melhor filme de terror que já vi, mas certamente não será um filme que me esquecerei.

O primeiro NFT de cinema em Portugal

0

O mundo das cripto moedas começa cada vez mais a expandir-se a novas áreas. A aposta é pelo novo filme Curral de Moinas – Os Banqueiros do Povo, que vão oferecer um NFT de cinema aos primeiros 300 espectadores.

O primeiro NFT de cinema em Portugal lançado pelos Cinemas NOS

Dia 11 de agosto chega aos cinemas NOS o novo filme Curral de Moinas – Os Banqueiros do Povo, esta estreia traz o lançamento do primeiro NFT de Cinema em Portugal, que permitirá aos espectadores ganhar um conteúdo 100% exclusivo.

Os primeiros 300 espectadores a enviarem o comprovativo de compra do bilhete para o email dos Cinemas NOS, vão então ter acesso a uma lembrança especial certificada desta nova aventura de Quim e Zé.

Mas qual é a história deste novo filme?

Em ‘CURRAL DE MOINAS – OS BANQUEIROS DO POVO’, Quim e Zé partem de Curral de Moinas com a sua conterrânea Piedade em direção a Lisboa, onde Quim irá tomar posse da herança de um pai que desconhecia. Espera a estes três simplórios uma vida faustosa e exuberante que os deixará encadeados e que ameaça colocá-los uns contra os outros. Mas conseguirá Quim levar o BICO (Banco Internacional de Crédito Oficial, que herdou) a diante sem esquecer as suas origens?

Realizado por Miguel Cadilhe, e com argumento de Henrique Cardoso Dias (‘Pôr-do-Sol’ e ‘7 Pecados Rurais’) e Frederico Pombares (‘Virados do Avesso’, ‘7 Pecados Rurais’), ‘CURRAL DE MOINAS – OS BANQUEIROS DO POVO’ conta no elenco com a dupla João Paulo Rodrigues e Pedro Alves, Júlia Pinheiro, Rui Unas e Sofia Ribeiro, entre muitos outros atores. O filme chega esta quinta-feira, dia 11 de agosto aos cinemas nacionais, com distribuição pela NOS Audiovisuais, e promete não deixar ninguém indiferente.

O que é NFT? Descubra como funciona este Token

0
O poder do NFT

Com a popularização das criptomoedas, o NFT também se tornou uma reserva de valor importante, trazendo possibilidades de enriquecimento para todas as classes sociais.

O que é um NFT?

O poder do NFT

Primeiramente é preciso compreender a origem da sigla NFT, que é derivada da linguagem inglesa ‘’Non-Fungible Token’’, que significa ‘’Token não fungível’’. Este Token representa um código numérico que se converte em uma unidade valorativa. Ele pode representar um bem de utilidade, patrimônio ou até mesmo um Token de arte.

Os NFTs conquistaram um espaço importante no mundo financeiro, pois foi impulsionado pelo crescimento e popularização das criptomoedas, as quais representam ativos digitais.

A criptomoeda mais conhecida certamente é o Bitcoin, mas ele não possui um vínculo com os Tokens Não Fungíveis. O universo de Tokens não fungíveis tem uma ligação muito mais forte com criptomoedas de segunda e terceira geração, se conectando respectivamente ao Ethereum e Binance Smart Chain, que hoje são seus principais provedores.

Como funcionam os NFTs?

Graças ao fato deles possuírem um código exclusivo, o Token Não Fungível é autenticado na carteira digital do seu proprietário. Ele pode ter sua existência confirmada através da camada de rede em que foi gerado. Um dos principais fatores que atribuem tanto valor a um Token Não Fungível é o fato dele possuir escassez, seguindo a mesma premissa do ouro e obras de arte. 

Estes Tokens podem ser obtidos através do ecossistema digital da rede Ethereum ou da rede Binance Smart Chain. Eles podem ser comprados através de criptomoedas, e possuem seu preço determinado pela raridade e atribuição de valor social. 

Ou seja, este item pode adquirir valores elevados de acordo com o significado que passe a ter socialmente, podendo se igualar até mesmo a obras de arte clássicas.

Para que serve um NFT?

A funcionalidade de um Token Não Fungível é extremamente ampla, pode ser utilizado como reserva de valor, expressão artística, entretenimento e até mesmo como item de jogos online. Há pessoas que adquirem seus Tokens com o intuito de colecionar artes digitais, outras os adquirem com o objetivo de se divertir com os jogos.

NFT dá dinheiro?

Apesar das inúmeras funções atribuídas aos Tokens, o objetivo principal da maioria das pessoas é crescer financeiramente através das oportunidades do universo NFT. Hoje os Tokens Não Fungíveis se tornaram uma oportunidade de ouro para muitas famílias, criando muitos novos milionários, pelo fato de ser um setor inovador no mercado digital.

Há cada vez mais investidores se interessando pelos Tokens, e as duas áreas mais rentáveis deste ecossistema estão ligadas aos Tokens artísticos e também aos tokens de jogos ‘’Play to earn’’.

Jogos Play-To-Earn

Jogos de NFT

Os jogos Play-To-Earn estão muito aquecidos neste momento, pois revolucionaram o mundo dos jogos. Antes estávamos acostumados a pagar para jogar, e graças aos tokens podemos ganhar muito dinheiro jogando. Este mercado ganhou força após o sucesso do jogo Axie Infinite, o qual possui uma jogabilidade semelhante ao clássico Pokémon. Hoje Axie permanece sendo um dos jogos Play-To-Earn mais consolidados, junto com Mbox.

Para aqueles que buscam um enriquecimento mais rápido, será necessário investir um valor mais elevado nos jogos. Mas apesar deste fato, até mesmo investidores com baixo poder aquisitivo podem encontrar a possibilidade de enriquecer neste universo digital.

O primeiro NFT de Cinema em Portugal

Os Cinemas NOS vão lançar em exclusivo o primeiro NFT de Cinema em Portugal, com a estreia do filme Curral de Moinas – Os Banqueiros do Povo. Os primeiros 300 espetadores vão ter o privilégio de receber uma lembrança exclusiva certificada do filme.