O cineasta mundialmente aclamado declarou, em entrevista ao NHK, a possibilidade de transformar “Boro The Caterpillar” (“Kemushi no Boro”) numa longa-metragem, o que poderá significar novo regresso ao trabalho.

Miyazaki, de 75 anos, salientou que a ideia surgiu no âmbito de uma proposta que partilhou com Toshio Suzuki (produtor veterano nos Estúdios Ghibli), em transformar num filme a sua curta de animação em computador. Recorde-se que o realizador anunciou a sua reforma em 2013, após ter lançado “The Wind Rises”.

Publicidade

Suzuki, presente no mesmo programa, referiu que, para Miyazaki, a transição de animação em desenho para animação digital tem-se revelado uma luta. “Miyazaki é uma pessoa que vai continuar a fazer filmes até morrer”, comentou Suzuki. “Os Estúdios Ghibli continuarão enquanto Miyazaki continuar a fazer filmes”.

O veterano brincou inclusive com a situação, referindo que nem a sua esposa sabia do projeto.

“Quando lhe contar, estarei pronto para morrer a meio [da produção].”

Apesar de não existir uma certeza- tendo em conta o espaço de cinco anos que existiu entre “Ponyo” e “The Wind Rises” -, espera-se que a longa-metragem de “Boro the Carterpillar” (caso o trabalho decorra num ritmo estável) seja lançada daqui a precisos cinco anos, altura em que Miyazaki terá 80 anos de idade.