“Monos” – Bem-Vindos à Selva de Alejandro Landes

0
234

Pelas mãos de Alejandro Landes, “Monos” mostra-nos o lado selvagem da Humanidade e como uma sociedade se auto-destrói com facilidade.

Desde a sua estreia no Sundance Film Festival em 2019 que “Monos” tem recebido rasgados elogios por parte de todos os que o vêm, sendo até travados comparações com o inabalável “Apocalypse Now”

monos destaque

Inspirado pelos temas debatidos no livro “O Senhor das Moscas” de William Golding, “Monos” coloca-nos no centro de um grupo de jovens soldados, isolados nas montanhas da Colômbia, tendo de cuidar de uma refém conhecida como Doutora. A sobrevivência do grupo é posta em prova quando as personalidades começam em choque e torna-se evidente o colapso do grupo. 

Todos os soldados com as suas alcunhas, depressa os conhecemos e sentimo-nos confortáveis em observar os seus hábitos diários e nocturnos, fazendo claras comparações com os nosso próprios hábitos. 

monos 1

O realizador Alejandro Landes não tem intenções de guiar o espectador. Coloca-nos no meio da acção, no meio destes jovens soldados, e vamos descobrindo a história pelas acções e diálogos entre as personagens. Como migalhas, vamos juntando tudo e construindo o puzzle

Só conseguiria captar o espectador se as personagens fossem fortes e bem aprofundadas. E, apesar dos nomes minimalistas, “Monos” é povoado por personagens incríveis, com interpretações de actores, na sua grande maioria amadores, que se tornam tão naturais quanto o ar que respiram. 

Aqui muito nos é dito por simples olhares e gestos, deixando-nos sempre alerta com o que está a acontecer no ecrã, para não escapar qualquer detalhe. E os actores entregam-se completamente aos seus papéis para ser o mais realista possível.

monos 2

Tudo isto enquanto estamos rodeados por ambientes hostis, que se tornam igualmente uma personagem nesta história. Com uma fotografia deslumbrante, “Monos” torna-se um espetáculo visual impressionante, entrecortado entre a beleza e a agressividade da Natureza.

A acompanhar-nos nesta viagem temos uma banda-sonora vibrante pela parte de Mica Levi, composta maioritariamente por timbalões, sons sintéticos e sopros em garrafas de vidro. Tudo junta evidência a animalidade e a claustrofobia do enredo, tirando-nos por momentos a respiração.

“Monos” não é para toda a gente. Para além de cru e sem pudores, também não se tenta explicar. Coloca-nos no meio da acção e o espectador tem de lutar para sobreviver e para ir ligando os pontos da história. Algumas coisas até ficam sem explicação, sem razão aparente de acontecer, o que poderá frustrar muitos. 

monos 3 scaled

No fundo, “Monos” preocupa-se mais no simbolismo e no que quer transmitir por entrelinhas ao espectador. A viagem é dura, crua, que mostra o lado animal da Humanidade.  Não é amiga do espectador, mas é uma excelente de que Alejandro Lades é uma nova voz no Cinema que devemos ficar atentos.

monos

“Monos” está disponível inicialmente em streaming a partir de 23 de Abril e estreará brevemente nos cinemas portugueses.

REVER GERAL
Realização
80 %
Representação
75 %
Argumento
70 %
Fotografia
88 %
Banda-Sonora
70 %
Artigo anterior7 papéis de Daniel Craig para além de James Bond
Próximo artigoHBO revela que “Westworld” terá um total de seis temporadas!
João, 23 anos. Comunicador nato, com um apetite feroz para cinema e música. Quotes de cinema fazem parte do meu vocabulário diário e grande parte das minhas 24h é a pensar em filmes e cultura
monos“Monos” preocupa-se mais no simbolismo e no que quer transmitir por entrelinhas ao espectador. A viagem é dura, crua, que mostra o lado animal da Humanidade.  Não é amiga do espectador, mas é uma excelente de que Alejandro Lades é uma nova voz no Cinema que devemos ficar atentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui