A lista desta quinzena recai sobre alguns dos pares românticos mais icónicos do cinema, votada pelos membros do Cinema Pla’net

Não houve critério no que toca à escolha de filmes elegíveis. Todos os pares românticos são elegíveis, mesmo que o filme em questão seja tudo menos um romance. É também oportuno lembrar que os elementos da lista não estão posicionados com base em qualquer ordem qualitativa.

Menções honrosas para pares como Elizabeth e Mr. Darcy (Pride & Prejudice), Elisa e The Asset (The Shape of Water) ou Mickey e Mallory (Natural Born Killers). Digam-nos que pares fariam parte da vossa lista, a nossa segue abaixo!

Vê também a última lista da equipa: 10 personagens lunáticas que marcaram o cinema

10. Leia Organa e Han Solo (Star Wars)

Eis aquele que é talvez o maior casal da cultura pop internacional, formado pelo destemido e irreverente piloto do Millenium Falcon, Han Solo, e pela princesa Leia Organa (que no futuro se viria a tornar general). A história de ambos foi essencialmente desenvolvida na trilogia original de Star Wars.

9. Aladdin e Jasmine (Aladdin)

Dada a recorrência de temas românticos nos filmes clássicos da Disney, não é de estranhar que a mesma se faça representar na nossa lista. A relação de Aladdin e Jasmine é alimentada pelo setting árabe, que lhe dá um certo misticismo e até grandeza.

8. Joel e Clementine (Eternal Sunshine of the Spotless Mind)

Clementine decide terminar a sua relação com Joel da maneira mais cruel, apagando-o literalmente da sua memória. De coração partido, Joel opta por fazer o mesmo… ou pelo menos tentar. A relação de ambos ao longo do filme, independentemente do final indecisivo que acaba por ter, mostra o amor como o sentimento mais resistente.

7. Rick Deckard e Rachael (Blade Runner)

A ”relação”, se é que assim pode ser chamada, entre o Blade Runner Rick Deckard e replicante Rachael é a mais peculiar da nossa lista, o que não é propriamente um dado adquirido tendo em conta o próximo par que apresentaremos. O elo de ligação entre os dois é iniciado quando Deckard revela a Rachael que esta não é humana, crença que possuia desde a sua criação.

6. Theodore e Samantha (Her)

Não é todos os dias que vemos um homem apaixonado por um sistema operativo de inteligência artificial. Mas verdade seja dita, quando um sistema operativo cujo objetivo é satisfazer todas as necessidades do usuário tem a voz de Scarlett Johansson, a paixão de Theodore torna-se ligeiramente mais fácil de compreender.

5. Ilsa e Rick (Casablanca)

O conceito de Casablanca não é propriamente complexo, o protagonista reencontra uma paixão antiga ao fim de muitos anos. A clássica história de amor entre Rick Blaine e Ilsa Lund tem conquistado audiências há mais de 75 anos.

4. Jesse e Celine (Trilogia Before)

Se querem uma história que retrate a realidade do amor, e não uma ficção recheada de expectativas irreais, não há melhor que a trilogia Before, de Richard Linklater. Ao longo de três filmes, Jesse e Celine passam por todo o tipo de peripécias emocionais. O par mostra não só que há altos e baixos numa relação, mas também que há momentos impossíveis de encaixar numa escala.

3. Jack Twist e Ennis Del Mar (Brokeback Mountain)

A ingrata história de dois cowboys que vêem a sua paixão entrar em conflito com a vida que ”é suposto viverem”. Levar para a frente uma relação homossexual torna-se duplamente difícil no meio em que Jack e Ennis vivem. Brokeback Mountain acompanha o par ao longo de 20 anos de paixão, tensão e conflitos.

2. The Beast e Belle (Beauty and the Beast)

Sim, Aladdin não é o único filme da Disney a marcar presença na nossa lista. É algo que provavelmente se adivinha sem sequer ver o filme, mas o que dá encanto à relação entre a firme, mas comparativamente singela Belle, e um princípe frio transformado numa besta horrenda, é precisamente a enorme diferença entre ambos, a todos os níveis.

1. Jack e Rose (Titanic)

Jack e Rose. O legado de Titanic fala por si no que toca ao quão icónicas são estas personagens. A trágica história do navio que afundou na sua primeira viagem é contada por uma Rose envelhecida, com 101 anos.