Se há algo que defina a arte e cultura de massas é a saga Star Wars. Desde que me lembro, que a princesa Leia e o Darth Vader fazem parte da cultura massificada em que vivemos.

Porquê? Porque Star Wars é mais que um conjunto de filmes, é um movimento cultural, económico e social, abarcando não só uma faixa etária alargada, como também uma imensidade de fãs de nacionalidades diversas; um verdadeiro produto da cultura de massas que se repercute a nível global. Como tal, com o anúncio do novo filme, o mundo rendeu-se de novo à Força, com o surgimento de um novo conjunto de fãs que, para se prepararem para o novo filme, se cultivaram com o visionamento dos anteriores. Faço parte dessa recente onda fanática. Vi apenas a trilogia original, por isso aguardava com especial interesse o regressar da princesa Leia, do seu irmão Luke, do Han Solo e, evidentemente, de Chewbacca.

Apesar da expetativa imensa para com o reviver da épica saga cinematográfica, os fãs temiam uma baixa de qualidade acentuada ou uma divergência total em relação aos temas originais. Isto porque George Lucas vendeu, em 2012, os direitos de Star Wars à Disney. Algo que não se verificou, é um filme extraordinário que me prendeu ao ecrã do início ao fim.

Star Wars: The Force Awakens L to R: Chewbacca (Peter Mayhew) and Han Solo (Harrison Ford) Ph: Film Frame ©Lucasfilm 2015
Star Wars: The Force Awakens
L to R: Chewbacca (Peter Mayhew) and Han Solo (Harrison Ford)
Ph: Film Frame
©Lucasfilm 2015

O grande clímax deste filme foi a calculada morte de Han Solo, parcialmente anunciada no decorrer do filme, e por isso não totalmente inesperada (a despedida de Han e Leia foi para mim uma grande pista). E é em relação a essa morte que vou teorizar. Refiro mais uma vez que só assisti à trilogia original, por isso se a minha teoria puder ser refutada pela minha ignorância, informem-me.

Han Solo é, para mim, das mais espetaculares personagens da saga. A morte dele é uma cena de drama e dinâmica familiar equiparável ao anúncio de Vader a Luke, “I am your father”. Chewbacca, Finn e Rey assistem à morte de Han pelas mãos do próprio filho, Ben (Kylo Ren). Terá sido este o fim de Han Solo? Estou confiante que não.

Primeiro, eles precisavam, como J. J. Abrahams já confirmou, algo que justificasse a presença de Han Solo no filme, algo determinante e poderoso. Matá-lo.

Segundo, precisavam de afirmar Kylo Ren como sucessor digno de Darth Vader. Matar o pai é, definitivamente, um passo determinante para Kylo se afirmar como vilão e reerguer do lado negro da Força. Terceiro, é impensável dispensar uma personagem como Solo. Quarto, Harrison Ford estará no episódio VIII, a estrear em 2017. Penso que estes argumentos vos convençam e que não sejam um devaneio de uma acérrima fã de Solo.

lukeskywalker

Estabelecida a impossibilidade da morte da personagem, teorizemos como ele pode ter sobrevivido. É simples na verdade. Recordam-se como Luke Skywalker perdeu a sua mão no episódio V? Relembremos. No duelo com os sabres de luz, duelo este que antecede a mítica revelação da verdadeira paternidade de Luke, Vader corta a mão de Luke, mão esta que segurava o sabre de luz. Este sabre de luz azul, pertencera a Anakin primeiramente e tinha sido dado a Luke por Obi-Wan. Este mesmo sabre é encontrado por Rey, no castelo-fortaleza de Maz Kanata. Como é que Maz conseguiu recuperar o sabre de luz? Quando a mão de Luke é cortada, cai para um abismo. Como foi recuperado? Como acabou na posse de Maz? Apenas a primeira pergunta me interessa. Num episódio da segunda temporada da série animada Liga da Justiça, chamado “Hearts and Minds”, John Stewart, um dos Lanterna Verdes, é atirado para as chamas de Py’tar. Ele sobrevive porque é teletransportado pela resistência que se opõe ao poder de Despero, usando um matter transporter para o salvar. Não sugiro a mesma técnica, mas algo semelhante, que permita a recuperação de itens que caem no tal “abisso”.

han-solo

Han Solo, depois de atacado pelo filho, cai também para uma espécie de abisso. Posso estar a fantasiar imenso a comparação, mas penso que o posso fazer. As situações da queda de Solo e da queda da mão de Luke segurando o sabre de luz são demasiado semelhantes para se ignorar a possível relação entre as mesmas.

A minha teoria, e esperança, é que Solo tenha sido resgatado da mesma forma que o sabre de luz foi recuperado. Mesmo que o resgate tenha acontecido, aceitando a minha teoria como verdadeira e aplicável, há sempre a hipótese de ele não ter sobrevivido aos ferimentos. Afinal ser trespassado por um sabre de luz não é algo a que se possa sobreviver com facilidade. No entanto, sendo Han resgatado, acredito sinceramente que não o deixariam morrer. Até ao fim de 2017, continuaremos na dúvida.

May the Force be with Han.