A Academia reuniu-se hoje via Zoom para decidir o futuro dos Óscares nas questões mais pertinentes desde a estreia nos cinemas a mudanças nas categorias.

Segundo o The Hollywood Reporter, o conselho de governadores da Academia, composto por 54 pessoas, dialogou sobre o futuro da cerimónia numa altura tão incerta para a indústria do cinema… e para a humanidade.

Publicidade

A primeira decisão, à semelhança dos Globos de Ouro, foi de permitir que todos os filmes lançados em streaming ou video-on-demand durante o período de pandemia de COVID-19 (desde março até uma data a definir), possam ser considerados como candidatos aos Óscares.

Os produtores têm apenas de disponibilizar os seus filmes na plataforma online exclusiva à Academia nos 60 dias seguintes à estreia em streaming ou VOD. Esta medida é unicamente aplicável à próxima cerimónia, revertendo às regras anteriores para as cerimónias seguintes.

Curtas-metragens, documentários e longas-metragens exibidas em festivais de cinema exclusivamente online, ao contrário de anos anteriores, também poderão ser submetidos aos Óscares.

Anteriormente, apenas os filmes exibidos durante 7 dias consecutivos num cinema de Los Angeles podiam candidatar-se aos Óscares. Mas a partir de agora, a possibilidade de exibição é alargada às cidades de São Francisco, Miami, Nova Iorque, Chicago e Atlanta.

Por outro lado, uma mudança pouco consensual diz respeito ao fim das categorias de Melhor Mistura de Som e Melhor Edição de Som. A nova categoria é apenas Melhor Som e terá como nomeados os responsáveis de ambas as categorias anteriores. A cerimónia passa agora a ter um total de 23 categorias.

Também há mudanças na categoria de Melhor Filme Internacional. A partir de agora, à semelhança da categoria de Melhor Filme, todos os membros da Academia podem votar nos filmes internacionais, já não sendo necessário aderir a um comité especial para o fazer.

Até ao momento mantém-se a data da próxima cerimónia dos Óscares, que decorrerá a 28 de Fevereiro de 2021. Tal como a data de abertura do Museu da Academia, prevista para 14 de Dezembro de 2020.