Destaques Matérias Especiais

#ChangeTheChannel: o começo do fim para a Channel Awesome

Avatar
  • Abril 14, 2018
  • 12 min read
#ChangeTheChannel: o começo do fim para a Channel Awesome

Seja That Guy With the Glasses ou Channel Awesome, a página que catapultou vários críticos da internet para a fama, mais notavelmente o Nostalgia Critic, poderá ter os seus dias contados.

A Channel Awesome pode não ser um canal mundialmente conhecido, mas, para muitos que gostam de ler ou ver críticos de produtos de entretenimento na Internet, esta organização tornou-se numa referência. Conhecida por ter catapultado para a fama muitos produtores de conteúdo independentes, bem como de ter promovido a mistura entre crítica e entretenimento, a empresa não se livrou de uma polémica despoletada pelos testemunhos de muitos dos seus ex-colaboradores que revelaram um lado deste site que muitos desconheciam… até agora!

Vê também: As melhores séries médicas de sempre para o Cinema Pla’net

De That Guy With the Glasses para Channel Awesome: uma breve introdução

Para quem gosta de seguir o trabalho de vários críticos da Internet, com certeza o nome “That Guy with the Glasses”, ou mesmo o seu nome atual “Channel Awesome”, é familiar a muitos internautas. Muitos seguem o trabalho de Doug Walker, conhecido por muitos como o Nostalgia Critic, bem como o de outros nomes que passaram pelo canal.

A página surgiu originalmente em abril de 2008 pela mão de Mike Michaud, Mike Ellis e Bhargav Dronamraju. A popularidade do site começou a captar a atenção de vários críticos que se juntaram à página onde partilharam os seus conteúdos em vídeo. Além do Nostalgia Critic, nomes como Linkara, The Spoony One, Nostalgia Chick, Phelous, Angry Joe, entre outros, ganharam fãs um pouco por todo o mundo.

Os críticos do site chegaram a marcar presença em vários eventos nos EUA dedicados à cultura geek, bem como a juntarem-se para produzir filmes independentes nos quais contracenaram. Alguns dos filmes como “Kickassia”, “Suburbian Knights” e “To Boldly Flee” ajudaram à popularidade do site.

O estilo de muitos dos críticos do site mostrou que é possível misturar crítica com entretenimento. É possível ser-se tanto crítico como ator. O conceito de “internet celebrity” esteve bastante ligado à popularidade ganha pelos colaboradores do site.

Em 2014 o site mudou o seu visual, bem como o seu nome, para Channel Awesome. Apesar das mudanças no visual, no estilo de vídeos e, notavelmente, na lista de colaboradores, a popularidade deste site manteve-se entre os seus fãs… Até ao dia em que muitos dos seus ex-colaboradores resolveram mostrar o seu lado da história.

#ChangeTheChannel: quando a polémica estala

A 2 de abril do presente ano, foi lançado um documento (entretanto atualizado a dia 7) no qual vários ex-colaboradores se pronunciaram sobre a sua experiência na Channel Awesome. Nessa lista estão incluídos alguns dos reviewers mais populares do passado. Tais como Allison Pregler (Obscurus Lupa), Lindsay Ellis (Nostagia Chick), Kaylyn Saucedo (MarzGurl), Jacob Chapman (JesuOtaku), Lewis Lovhaug (Linkara), etc.

Entre as alegações constam histórias que revelam uma série de maus tratos por que passaram. No documento podem-se ler sobre situações de precariedade, negligência,, falhas de comunicação, assédio sexual e vários comportamentos agressivos adotados pelo CEO Mike Machaud.

https://twitter.com/thelindsayellis/status/983040626265477120

Além do gerente, também os irmãos Doug Walker (Nostalgia Critic) e Rob Walker foram severamente criticados. Nomeadamente por episódios de negligência, bem como por comportamentos egoístas. A polémica deu origem à hashtag #ChangeTheChannel, na qual muitos dos autores do documento, bem como muitos fãs e outros ex-colaboradores, têm manifestado opiniões face às histórias do documento.

Alguns dos episódios mais caricatos…

A maior parte dos testemunhos no documento são sobre o atual SEO da Channel Awesome Mike Michaud. Na versão abrangida Michaud é descrito como “tendo uma história de ser pouco profissional, agressivo, imaturo, difícil e misógino”.

O testemunho de Allison Pregler (Obscurus Lupa) é dos mais relevantes relativamente ao comportamento do seu ex-patrão. Michaud terá confrontado Allison pelo facto de ela ter optado por colocar anúncios nos seus vídeos, reclamando que os espectadores e alguns produtores estariam a reclamar por esse motivo. A discussão não terá ficado por aí, tendo os irmãos Walker também se envolvido no conflito em causa. Allison viria a ser despedida eventualmente por ter demorado 15 minutos a responder a uma mensagem de Mike Michaud.

Vários dos episódios mais marcantes que o documento relata também se focam nas atitudes tomadas pelos irmãos Walker nomeadamente durante a produção de filmes nos quais contracenaram com vários colaboradores do site. Muitos sentiam que Doug Walker, que ainda hoje é considerado como “a mascote” do Channel Awesome, teve influência em muitas das decisões tomadas pela gerência.

Ele também tomou decisões bruscas face ao site que tiveram o potencial para afetar drasticamente os ganhos de muitos colaboradores, sem os ter consultado primeiro.

Nas filmagens de “Suburban Knights” quatro das pessoas que terão participado ter-se-ão magoado. O que torna o episódio mais caricato é o facto de não terem sido tomadas quaisquer medidas de precaução. Uma das atrizes terá sido suspensa a uma parede com os braços e pernas abertos e desmaiado após demasiado tempo na mesma posição.

Já durante as filmagens de “To Boldly Flee”, além de ter sido colocado um ênfase exagerado sobre Doug Walker (Nostalgia Critic) em relação aos outros participantes, uma cena em particular incomodou Lindsay Ellis (Nostagia Chick) e Lewis Lovhaug (Linkara). A cena consistia numa aparente violação, pelo que ambos os críticos pediram que a cena fosse excluída. A solução de Doug Walker? Atenuar a cena em comparação com a ideia original.

Em cima está o script original e em baixo a cena final.

Um dos exemplos das negligências da parte da gerência da Channel Awesome também advém do fracasso duma campanha de crowdfunding. Nesta prometiam 40 episódios de um novo programa online. Além de apenas terem sido lançados 12 episódios, a empresa chegou a ser investigada pela própria Indiegogo, tendo sido ilibados eventualmente por terem sido cumpridos certos requisitos mínimos.

…e alguns dos episódios mais sérios

Além de Mike Michaud, Mike Ellis foi um dos alvos principais do documento, tendo sido acusado de assédio sexual a várias colaboradoras do site. Também um outro produtor tentou assediar outros colaboradores do site, mesmo após Ellis ter sido dispensado. Em ambos os casos a gerência soube dos assédios, mas terá demorado a tomar uma atitude face aos comportamentos depravados.

Talvez um dos episódios mais polémicos relatado no documento tenha sido o tratamento dado à ex-RH Holly Brown. Segundo a própria, era a única pessoa a quem pediram que trabalhasse todos os dias (incluindo fins de semana e férias), visto que ela e Mike Michaud eram os únicos que conseguiam manter o site atualizado.

Do nada, Holly foi despedida quando num dia teve que ir fazer uma cirurgia ao hospital o que implicou que tirasse uma parte do dia. Além do despedimento, de modo a receber a indemnização por cessação de funções, teve que assinar um outro contrato que a impediu de trabalhar noutras funções similares por três anos.

https://twitter.com/gookygox/status/983364102734180352

Um dos outros episódios mais sérios foi no âmbito do trágico suicídio dum dos colaboradores: Justin Carmical (JewWario) em 2014. No testemunho de Dr. Gonzo (Nerd to the Third Power), amigo próximo do falecido, o crítico refere que terá abordado Mike Michaud com a ideia de fazer um vídeo como tributo a JewWario. Michaud aceitou a ideia, mas não deixou que fosse Dr. Gonzo a fazê-la. Segundo as alegações esta terá sido a resposta do CEO (em tradução livre):

Bem, não terás que te preocupar com isso Gonzo. Ninguém sabe quem tu és. Não se irão interessar por nada que tu elabores. Vamos fazer por que o Doug, ou o Lewis, ou outra pessoa elabore algo. Alguém que as pessoas realmente venham ver.

No fim, Doug Walker terá feito o tributo em causa. Segundo Dr. Gonzo, terá sido neste momento que soube que “os meus dias na Channel Awesome estavam contados”.

“Lamentamos sinceramente que se sintam assim”

A resposta da Channel Awesome surgiu no dia seguinte ao lançamento do documento via twitter. Ironicamente esta resposta apenas viria a acender ainda mais a polémica. A razão para a ira de muitos fãs prende-se com esta passagem em particular:

(…) A Channel Awesome é uma organização que respeita os nossos parceiros e visa criar o melhor ambiente possível para todos. Damos as boas vindas a uma comunidade diversa de pessoas que se juntam para criarem grandes vídeos. Relativamente às pessoas que se pronunciaram sobre eventos passados que consideraram ofensivos ou pouco profissionais, lamentamos sinceramente que se sintam assim. (…)

As reações dos fãs a esta postura não se fizeram esperar. Além das respostas iradas e satíricas, o canal de YouTube perdeu numa semana mais de 27 mil subscritores e o twitter perdeu mais de 2 mil seguidores.

O número de colaboradores também diminuiu drasticamente, tendo alguns saído pouco depois da polémica ter estalado. O filme que iria celebrar o 10º aniversário do projeto foi (inevitavelmente) cancelado.

Malcolm Ray, um dos atuais colaboradores, pronunciou-se sobre as alegações. Fê-lo salientando que a sua experiência com a Channel Awesome tem sido positiva e agradecendo pelas preocupações que têm sido manifestadas pela sua pessoa.

Recentemente a Channel Awesome deu uma segunda resposta às acusações que apenas acendeu ainda mais a presente polémica.

A resposta que poderá ter cavado a sepultura da Channel Awesome

No dia 11 de abril a Channel Awesome voltou a publicar uma segunda resposta à controvérsia. Além de terem tentado refutar algumas das acusações com “factos”, acusam os envolvidos de espalharem mentiras com intenções vingativas.

De modo a tentar provar a sua inocência face a algumas das acusações, a empresa divulgou algumas conversas tidas há uns anos atrás sobre assuntos tais como a cirurgia de Holly (alegando que lhe deram o dia livre para não trabalhar nesse dia), a colaboração de Lindsay Ellis (Nostagia Chick) para alterar a cena de violação na qual participou, o facto de existir um contrato dado aos colaboradores que não só salientava que a sua participação nos filmes seria voluntária mas que ilibava a empresa de quaisquer responsabilidades face a danos materiais ou pessoais aos participantes. A resposta da empresa não abarcou todas as alegações em causa

Um dos tópicos que ganhou destaque nesta resposta foi a rapidez de ação tomada pela gerência face aos assédios sexuais. Foi precisamente este um dos últimos tópicos que revelou um lado mais negro sobre a Channel Awesome. Vários internautas fizeram uma pesquisa usando as datas em que a gerência terá falado sobre o problema referente a um produtor que estaria a assediar uma das colaboradoras.

A conclusão a que chegaram (confirmada entretanto por várias pessoas envolvidas nas acusações) foi que o predador em causa alegadamente tratava-se do falecido JewWario. Em baixo está um post no reddit no qual uma mulher (anónima) confirma a identidade do seu abusador.

https://twitter.com/gookygox/status/984508192859144192

Não só a revelação decepcionou os fãs, mas também toda a postura da Channel Awesome face ao escândalo. Vários fãs já manifestaram o seu profundo desagrado pela atitude da empresa. Muitos continuaram a tendência crescente de deixarem de seguir as suas redes sociais. O canal de Youtube já conta neste momento com mais de 33 mil seguidores perdidos (em atualização).

Também vários produtores, de modo a distanciarem-se da polémica, desmarcaram-se da Channel Awesome. Desde nomes clássicos como Angry Joe, ou Cinema Snob, até outros nomes relevantes como The Dom ou Chris Stuckmann, uma boa porção de críticos já declarou a sua saída da organização.

A ironia desta história? Dez anos após a criação deste projeto, este poderá bem estar à beira do abismo neste momento. Muitos já consideram esta história como sendo um alerta ao que pode acontecer quando não só não se tratam bem os colaboradores numa organização, mas também se ignoram as vozes dos mesmos.

A Channel Awesome, outrora uma referência para muitos críticos e produtores de conteúdos independentes, deu por si numa espiral negativa. A polémica é marcada pela deceção sentida quer pelos seus anteriores colaboradores, quer pelos fãs. O tempo dirá se a Channel Awesome sobreviverá a uma polémica que arrasou a sua reputação numa questão de dias. Se há lição que possa ser tirada desta situação, é de que não apenas Hollywood esconde segredos obscuros.

Avatar
About Author

Sara Sampaio

Natural do Porto. Formada em Ciências da Comunicação e apaixonada por escrita e fotografia. Começou a colaborar para o Cinema Pla'net em 2016.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *