Dare devil

Depois do fracasso crítico de Demolidor, o Homem Sem Medo, a Marvel resolveu optar por tornar as aventuras de Daredevil numa série televisiva, levada a cabo pela Netflix. Para conhecer a história de Matt Murdock é necessário saber como e o porquê da sua cegueira que se resume a um curto flashback de um acidente de viação onde o jovem Murdock acaba por levar com um produto nocivo nos olhos destruindo a sua capacidade visual. Uns valentes anos mais tarde, Murdock é já um homem feito e pretende iniciar a sua carreira como advogado, ainda que o primeiro caso que lhe chega à porta seja um bico-de-obra. Karen Page é secretária de uma empresa milionária que se vê envolta numa tentativa de incriminação por homicídio; sem grandes amigos e fundos monetários para arranjar um advogado, Page cai no radar do nosso caro justiceiro que aceita defender a sua inocência. Murdock, que é advogado durante o dia e justiceiro durante a noite, aprendeu a tirar proveito dos seus restantes sentidos que ficaram mais apurados assim que perdeu a visão. Em “Into the Ring”, o primeiro episódio, o herói de Hell’s Kitchen sabe que o sei primeiro caso está envolto em algo gigantesco, ainda que a sua cliente oculte o verdadeiro motivo da sua condenação e force Murdock a tomar uma atitude.

daredevil 2

Para um começo, “Into the Ring” é um episódio agradável, que procura introduzir as suas personagens sem contar demasiado, nem em se perder com grandes discursos heróicos como é típico nas séries da Marvel. Charlie Cox parece ser uma boa escolha para o justiceiro, uma vez que combina a força física com charme e eloquência, conferindo um tom sensato e por vezes rebelde ao herói. O mesmo não acontece com Deborah Ann Woll, que mantém o seu registo de “menina chorona” que já conhecemos do seu tempo em True Blood. Com o argumento assinado por Drew Goddard, colaborador habitual de Joss Whedon, Daredevil promete deixar um legado bem mais positivo do que a sua versão cinematográfica de 2003, ainda que tenha um longo percurso pela frente para conseguir um estatuto decente no meio dos aficionados da banda-desenhada. Mesmo que tudo pareça confuso ou menos explicado neste primeiro capítulo, esperam-se inúmeras melhorias ao conceito de vida de Matt Murdock, bem como a presença física de Vincent D’Onofrio (só ouvimos a voz dele para já) e todos aqueles clichés que nos fazem agarrar ao universo da Marvel.

daredevil 3

Com uma banda-sonora competente e prestações decentes, o Demolidor de Charlie Cox tem potencial para marcar pela diferença e provar que apostar no mundo dos comics continua a ser uma boa ideia mas, claro, esta conclusão só chegará daqui a uns bons episódios vistos. O regresso de Daredevil assume-se, portanto, melhor do que quando Ben Affleck vestiu o fato vermelho, não só porque procura aproximar o público com a sua causa, como explora (ainda que em pequenas doses) o motivo que o torna especial. A ausência de um vilão acabou por não surtir o efeito desejado, uma vez que somos apresentados a umas quantas personagens maliciosas mas que não convencem o espectador à primeira. Ainda é cedo para ter qualquer opinião sobre o pouco que sabemos da personagem de Vincent D’Onofrio, mas era necessário ter um vilão para odiarmos durante o episódio. Apesar do seu início prematuro, a equipa de Daredevil procura não cometer os mesmos erros da adaptação cinematográfica que despejou as personagens sem nos explicar o seu background, ainda que ocultar também não seja a melhor estratégia.

Vou aguardar pelos próximos capítulos para formular uma opinião fundamentada sobre a série, mas desde já aconselho a dar uma espreitadela.

 

Texto escrito por: Jorge Lestre // CINE ADDICTION