O realizador de “Chama-me Pelo Teu Nome”, Luca Guadagnino, já arranjou um argumentista para adaptar ao cinema “O Deus das Moscas”.

A icónica obra de William Golding, “O Deus das Moscas”, já foi adaptada diversas vezes ao cinema, como por exemplo em 1963 por Peter Brook (“Marat/Sade”), em que o filme chegou a ser candidato à Palma de Ouro no Festival de Cannes, e em 1994 por Harry Hook (“Tudo Por Amor”).

Publicidade

Chega agora a vez de Luca Guadagnino, cujo filme mais recente foi um remake de “Suspiria” (de Dario Argento). O argumentista será o escritor Patrick Ness, que em 2016 adaptou a sua própria obra “Sete Minutos Depois da Meia-Noite”, de J.A. Bayona (“O Impossível”). A sinopse oficial do livro indica:

Um avião despenha-se numa ilha deserta, e os únicos sobreviventes são um grupo de rapazes. Inicialmente, desfrutando da liberdade total e festejando a ausência de adultos, unem forças, cooperando na procura de alimentos, na construção de abrigos e na manutenção de sinais de fogo. Porém, à medida que o frágil sentido de ordem dos jovens começa a fraquejar, também os seus medos começam a tomar sinistras e primitivas formas. De repente, o mundo dos jogos, dos trabalhos de casa e dos livros de aventuras perde-se no tempo. Agora, os rapazes confrontam-se com uma realidade muito mais urgente – a sobrevivência – e com o aparecimento de um ser terrível que lhes assombra os sonhos.

Até lá, Guadagnino estreia este ano o documentário “Salvatore Ferragamo: The Shoemaker of Dreams”. Antes do confinamento europeu encontrava-se em filmagens da série “We Are Who We Are” e tem atualmente em pré-produção um filme baseado no álbum de Bob Dylan “Blood on the Tracks”, com Chloe Grace Moretz. Está ainda em fase de desenvolvimento a sequela de “Chama-me Pelo Teu Nome”.