Gambito de Dama | Mais outro xeque-mate da Netflix

“Gambito de Dama” é uma minissérie da Netflix, com Anya Taylor-Joy no papel de Beth Harmon, o prodígio do xadrez.

Baseado no livro de Walter Tevis, Gambito de Dama conta a história de Beth e do seu talento para o xadrez. Da cave do orfanato, para o topo do mundo, tudo em 7 episódios muito viciantes.

Depois de Godless – Sem Deus, a Netflix decidiu encomendar Gambito de Dama a Scott Frank, colocando-o como realizador, argumentista e produtor. É de relembrar que Frank já foi nomeado duas vezes para Óscar (Logan e Romance Perigoso). Para esta série, William Horberg serviu como produtor executivo (O Talentoso Mr. Ripley) e Anya Taylor-Joy foi a escolhida para o papel principal. Esta série tem tudo para correr bem, certo?

Certo. A nova minissérie da Netflix é absolutamente viciante! Ver peças de madeira a deslizar num tabuleiro não produz propriamente uma série para nos deixar colados ao ecrã. E nem estou a contar o facto de não perceber nada de xadrez!

Mas da última vez que me interessei por este jogo, Ron Weasley ganhou à Professora McGonagall e o Harry conseguiu recuperar a pedra filosofal! Portanto, decidi dar uma oportunidade a esta Rainha e foi uma óptima decisão.

Gambito de Dama tinha tudo para dar uma série complexa, desafiante a nível intelectual até. No entanto, Frank decidiu ir muito mais além dos 64 quadrados do tabuleiro. Esta é a história de Beth, que Frank decidiu começar com o clássico flashback – Beth está a jogar a partida da sua vida, quando a sua mente começa a correr e vemos como era a sua vida 10 anos antes.

Vê também: Vivarium | O irónico pesadelo de estar fechado na própria casa

Beth, com 9 anos (aqui interpretada por Isla Johnston) é mais uma órfã que vive na Casa Methuen para raparigas. Desde muito cedo que os vícios tomaram conta da vida de Beth – tomava “vitaminas” no orfanato todos os dias. Quando Beth entra na cave do contínuo Shaibel e vê um tabuleiro, é imediatamente atraida para jogar. Shaibel não é uma personagem calorosa, é reservado e gosta de estar sozinho.

No entanto, depois de muita teimosia, aceita Beth como sua “aluna” de xadrez e até lhe patrocina a sua primeira inscrição num torneio. Apesar de só ter tido meia dúzia de falas, Shaibel (Bill Camp) é sem dúvida uma das personagens mais marcantes da série. Afinal, é ele o primeiro mentor de Beth.

 

Beth fica uns anos no orfanato até ser adoptada por Alma Wheatley (Marielle Heller) e o seu marido (Patrick Kennedy), este muito ocupado e que parece que só quis adoptar Beth para manter a sua mulher ocupada.

Novamente vemos aqui outra personagem com grande impacto na vida de Beth – Alma. Esta não é a mãe exemplar, mas não se consegue sentir nada senão pena dela. Alma é mais uma dona de casa dos anos 50, que não pode ser muito mais do que isso devido a todos os estereótipos da época. Quando ela descobre o talento de Beth para o xadrez e os consequentes prémios monetários, propõe ser a sua representante. A partir daqui, vemos finalmente outra Alma – feliz (talvez pela primeira vez na vida), na companhia de Beth, a viajar e a fazerem bom dinheiro.

Vê também: “Hóspede Indesejado” | Terror britânico impactante

Enquanto as duas percorrem a América em torneios, cabe a Taylor-Joy de mostrar ao espectador o crescimento de Beth. Taylor-Joy confia nesta personagem e no argumento brilhante da série para deixar o espectador colado, e resulta perfeitamente. Há muitos momentos sem fala, especialmente quando ela joga xadrez. Mas a cinematografia e a banda sonora encaixam perfeitamente aqui, completadas pelos olhares intensos que Beth lança ao tabuleiro.

À medida que vemos Beth mais velha, Taylor-Joy acompanha este crescimento brilhantemente, mudando a sua maneira de andar, vestir, responder e até de jogar. Parece que foi natural, visto que crescer no ecrã é um processo complexo, mas o talento da actriz ajudou muito a fazer a transição de Beth adolescente para adulta.

Esta transição para a vida adulta na companhia de Alma trouxe as suas desvatagens. Alma gostava demasiado de beber álcool, fumar cigarros e tomar comprimidos, sendo que Beth seguiu este exemplo facilmente. Beth tem bem consciência que tudo isto pode perturbar o seu desempenho no xadrez.

É este caminho da auto-sabotagem que também torna esta série cativante: nós sabemos que Beth se vai tornar uma estrela do xadrez, enquanto luta com o seu problema. Nós sabemos que ela vai ganhar as partidas (ou pelo menos quase todas), o suspense da série não vem dos jogos em si. Vem de como é que Beth ganha, por quê e qual o próximo adversário.

Vê também: 5 documentários e 1 série para acompanhar as eleições americanas

No entanto, este Gambito ainda sofre de algumas cenas desnecessárias. Se calhar esta minissérie poderia ter sido transformada num filme. Gostei imenso da performance de Thomas Brodie-Sangster como Benny, o rival que se torna amigo. Tive pena de não o vermos tanto no ecrã, para mais momentos desta amizade-amor-ódio entre Benny e Beth.

Gambito de Dama não é uma série sobre o desporto ou um suspense sobre que jogada vem a seguir. Entre a loucura e o génio, esta série é o percurso de Beth até ao topo do xadrez. É um caminho cheio de obstáculos, a maioria colocados pela própria, o que resulta numa série viciante e cheia de emoções.

A performance de Anya Taylor-Joy, combinada com o argumento brilhante e a criatividade de Frank tornam esta série num must-watch da Netflix!