Conteúdo Exclusivo:

O primeiro NFT de cinema em Portugal

O mundo das cripto moedas começa cada vez mais...

Netflix Portugal, todas as estreias em Agosto 2022

A Netflix Portugal já nos deu a conhecer todas...

“O Pai Tirano” a comédia portuguesa que faltava a 2022

"O Pai Tirano" é comédia portuguesa que faltava a...

“Joker” – Atuação de Phoenix é soberba!

“Joker” não é fácil de classificar. Mas se tivesse que definir este filme em uma palavra seria: desconfortável.

Assim que saí da sala de cinema, vários sentimentos se misturaram. Tinha de reflectir sobre o que tinha acabado de ver, e sabia que não ia ser fácil. “Joker” não é fácil de digerir, nem de tirar conclusões.

Joker, é o vilão mais famoso da história do cinema e o maior inimigo de Batman. criado pela DC. Anteriormente, interpretado de forma mítica por Jack Nicholson e Heath Ledger.  Também Jared Leto deu vida ao vilão, mas não convenceu os fãs. No entanto todos conseguem demonstrar a complexidade do vilão, que até agora sempre teve o papel secundário. Temos finalmente a oportunidade de conhecer o que está por detrás do vilão. Neste filme acompanhamos a transformação de Arthur Fleck em Joker.

Fleck representa toda uma sociedade debilitada.

Interpretado pelo incrível Joaquim Phoenix, que prova o seu, já reconhecido, talento nesta interpretação em particular, Phoenix carrega o filme nas suas costas, a aparece cerca de 95% do tempo no ecrã.

O filme conta as origens de Arthur Fleck, em Gotham City nos anos 80. A vida de Arthur é uma sucessão de desgraças. A cidade, está em crise, o lixo não é recolhido, existe uma infestação de ratos, a pobreza é elevada. Fleck representa toda uma sociedade debilitada. Sociedade essa que assiste a uma crescente desigualdade e que tem o sentimento permanente de que ninguém se importa.

Fleck vive com a mãe, é doente mental, pobre, e sofre constantemente todo o tipo de humilhações, o que nos causa um tremendo desconforto. Além disto sofre de uma condição que o faz rir histericamente em situações de nervosismo ou stress, o que é bastante constrangedor e obviamente se torna um obstáculo social para a personagem, que é visto como um parasita.

Ver também:Nightmare Alley”: De Guillermo del Toro e com David Strathairn!

A atuação de Phoenix é soberba!

Arthur Fleck é completamente abandonado pela sociedade, pelos colegas de trabalho e a sua saúde mental não é tratada da melhor forma. Estas condições juntamente com o contexto social e económico de Arthur, criam os elementos perfeitos para a loucura.

A atuação de Phoenix é soberba, e percebemos isso no seu olhar, na sua magreza, na maneira como dança, como se move, como fuma, como ri… Chega a ser perturbador e ao mesmo tempo deslumbrante. Não conseguimos desviar o olhar!

Por muito que a atuação de Ledger fique para a história, Phoenix apresenta uma das melhores atuações no universo de super-heróis, digno de um Óscar.

O único ponto menos surpreendente é já sabermos que no final Arthur se transformará em Joker. O que surpreende é como se chega a esse final. Cada evento que acontece obriga-nos a refletir, deixa o espectador desconfortável. Mesmo quando tem  piada não conseguimos rir, e se rimos é de nervosismo.

Muito mais que um filme de super heróis…

Arthur Fleck surge como a cara de uma Gotham que está podre e deixada à deriva. Para a sociedade onde ele se encontra inserido, ele será o herói que traz de volta a esperança em fazer vingar uma cidade perdida.

Apesar de toda a critica negativa dirigida ao filme, acerca do incentivo à violência, na minha opinião, o filme retrata muito mais a origem dessa violência e como não devem ser ignorada. Por vezes é pouco claro o que Todd quer que retiremos com o filme. E talvez até seja uma chamada de atenção para aquilo que já sabemos que existe, mas que teimamos em ignorar.

Ter a perspectiva de Arthur é sentirmos alguma compreensão  e até mesmo empatia, o que chega a ser assustador.

Muito mais que um filme de super heróis, é um filme sobre economia e política, que incentiva ao debate e humaniza um vilão que pela primeira vez tem a oportunidade de criar empatia com o público.

Para mim, este filme não é sobre Joker, mas sim sobre Arthur.

Mais Lidas

Melhores Séries Originais do Disney Channel

O Disney Channel acompanhou e acompanha várias gerações, decidimos...

Let’s Talk # 4 c/ Nuno Duarte (Jel)

A 4ª. Edição do Let’s Talk no Cinema Pla’net conta...

Blake Lively encontra-se em “Águas Perigosas”

Blake Lively fica encurralada por um tubarão num cenário...

Cinema a 2,5 euros durante 3 dias

Vão ser perto de 500 salas de cinema que...

As Melhores Listas

Lista de séries obrigatória para ver em 2022

A escolha é difícil quando a oferta é muita,...

Descubra 7 Comédias Francesas para ver este Verão

Destacamos as 7 Comédias Francesas que estão marcadas para...

12 melhores comédias francesas com Christian Clavier

Christian Clavier torna-se cada vez mais em sinónimo de...

Filmes com personagens super heróis para descobrir

Não marcaste no calendário todos os filmes de Super-Heróis que vão estrear? Com tanto ainda por acontecer, o Cinema Pla'net preparou já a agenda!

6 filmes de Terror a não perder este ano

Este ano, os fãs de filmes de terror já...
Sandra Rodrigues
Sandra Rodrigues
Sandra Rodrigues, 27 anos, licenciada em gestão de recursos humanos. Tirei um curso geral de cinema onde tenho realizado curtas metragens.

The Vigil – O Despertar do Mal: Até que a Morte os separe…

“The Vigil” é um filme de terror que foi lançado pela primeira vez no Toronto International Film Festival, chegando só agora a Portugal. Mas...

O primeiro NFT de cinema em Portugal

O mundo das cripto moedas começa cada vez mais a expandir-se a novas áreas. A aposta é pelo novo filme Curral de Moinas -...

O que é NFT? Descubra como funciona este Token

Com a popularização das criptomoedas, o NFT também se tornou uma reserva de valor importante, trazendo possibilidades de enriquecimento para todas as classes sociais. O...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui