Juntos Para Sempre 2, obra realizada por Gail Mancuso, chega esta semana às salas de cinema portuguesas. Trata-se de uma sequela divertida, comovente e acima de tudo bem construída que acrescenta ao trabalho da primeira produção.

Se havia dúvidas quanto ao poder desta história no público, Gail Mancuso (Modern Family, Gilmore Girls), vencedora de 2 Emmys Primetime, elimina-as com este segundo filme, Juntos Para Sempre 2.

Voltamos a acompanhar Bailey (Josh Gad) no mesmo ponto em que ficou no último filme. Vive uma boa vida de campo juntamente com o seu dono Ethan (Dennis Quaid) e a companheira do mesmo, Hannah (Marg Helgenberger). No lar encontra-se também Gloria (Betty Gilpin), viúva do filho e mãe da neta, CJ, (Abby Ryder Fortson) de ambos.

Desde logo, representada como uma mãe desligada da maternidade, Gloria não aguenta os conselhos dos sogros que lhe soam a pressão e julgamento e acaba por abandonar a casa com a filha para perseguir os seus sonhos. O contacto entre avós e neta é cortado.

Juntos Para Sempre 2

O propósito de Bailey retirado do primeiro longa (Juntos Para Sempre) consistia em viver o presente e reunir-se com o seu dono. Nesta sequela vemos uma continuação desse objetivo, mas surge um novo quando morre.

Ethan profundamente crente na possibilidade de ressurreição dos cães, da-lhe como missão de vida ou, melhor vidas, encontrar a sua neta CJ e protegê-la. É caso para dizer que os cães afinal têm tantas ou mais vidas que os gatos.

A narrativa é construída em paralelo. À medida que vemos uma CJ mais velha (Kathryn Prescott) que quer ser cantora em Nova Iorque, vemos a jornada de Bailey (vai trocando de corpo, nome) que faz de tudo para a encontrar, tal como o dono lhe pediu.

Vê também: HBO divulga o primeiro trailer da série “His Dark Materials”

CJ cresce muito solitária, tendo como melhor amigo Trent (Henry Lau), um vizinho simpático que decide com os pais adotar um cão. Nesse dia, CJ acompanha-o e nessa mesma ninhada está Molly (o Bailey) que faz de tudo para ser levada por ela e acaba por ter sucesso.

Juntos Para Sempre 2

Dog’s Journey serve como uma bela sequela para um primeiro filme que se limitou a apresentar uma premissa simples – um cão com diversas vidas – que se repetiu várias vezes na produção, tornando-se cansativo e previsível. Eu muito honestamente temia que este filme fosse mais do mesmo e fosse aborrecido, no entanto felizmente isso não se verificou. Não se perdeu a ideia, mas esta foi trabalhada de modo a não ser uma mera repetição do primeiro filme.

A construção da narrativa juntamente com um elenco credível permitem ao espectador sentir que está realmente a acompanhar a história de uma família, de uma geração, não ficando de parte problemas atuais e relevantes que credibilizam ainda mais a história e a tornam interessante. Percebemos que há subenredos propositados.

Além do alcoolismo, de problemas familiares, da agressão entre casais, o filme retrata igualmente a força da união, da amizade, do amor, a possibilidade de recuperação e, ainda o amadurecimento pessoal e profissional de uma jovem adulta que sempre teve medo de tentar.

Em última análise, o grande propósito dos cães é estarem com quem amam, divertirem-se ao máximo no presente e fazerem as pessoas felizes.

Posto isto, Juntos Para Sempre 2 trata-se de uma sequela que acrescenta sentido aquilo que já conhecíamos, torna a história mais forte ainda, assim como a nossa ligação a ela. Sim, é novamente um filme para chorar, por isso, preparem esses lenços.