Conteúdo Exclusivo:

O primeiro NFT de cinema em Portugal

O mundo das cripto moedas começa cada vez mais...

Netflix Portugal, todas as estreias em Agosto 2022

A Netflix Portugal já nos deu a conhecer todas...

“O Pai Tirano” a comédia portuguesa que faltava a 2022

"O Pai Tirano" é comédia portuguesa que faltava a...

Mar Infinito – o universo imenso e íntimo

Mar Infinito é a estreia de Carlos Amaral na realização de uma longa metragem. Após servir como artista de efeitos visuais em vários filmes e séries, e ter realizado três curtas, apresenta agora este sci-fi introspetivo, ainda em exibição em alguns cinemas.

O cinema de género é um pouco mal-amado no nosso país. Temos um ou outro título a cada par de anos, mas nunca tem muito tração. Se o público em geral pouco vê de cinema português, ainda menos quando este não se encaixa num género mais convencional. Para além disso, a ficção científica é talvez dos géneros mais caros, o que torna ainda mais difícil este tipo de filme ser produzido. Este filme, no entanto, prova que não é preciso um orçamento descomunal para criar um filme cativante e interessante dentro do rótulo “sci-fi”.

mar infinito

Melancolia e solidão

Mar Infinito conta a história de Miguel (Nuno Nolasco), um jovem preso num futuro desolado, onde a promessa de uma nova vida em Proxima Centauri deixou a Terra quase deserta. Ele tenta continuamente hackear o sistema de forma a ser selecionado para a viagem, mas sem sucesso. Um dia, conhece Eva (Maria Leite), uma mulher que, assim como ele, se sente deslocada. E é esta relação, que se revela profundamente íntima, que o vai fazer reavaliar o seu lugar no mundo.

Contado assim, até parece simples, mas a verdade é que o filme de Carlos Amaral é tudo menos linear na sua storytelling. Entre sonhos, memórias, analepse e prolepse, o filme envolve-nos numa experiência quase metafísica, menos preocupada em ter uma narrativa sólida, e mais em criar uma atmosfera transcendente. Com efeito, por vezes não é claro o que é sonho ou o que é memória, tal é a abstração que percorre o filme a partir de um certo ponto. Não que isso seja um aspeto (apenas) negativo: é certo que para grande parte do público, o estilo contemplativo e lento deste filme não vai ser do seu agrado. E, verdade seja dita, muitas vezes revejo-me nessa fatia do público. Contudo, considero que neste caso, o filme justifica a sua eventual morosidade, de modo geral.

O lugar do ser no universo

O tom e ritmo do filme transportam-nos para a subjetividade do protagonista, alguém que vê a vida a passar-lhe ao lado e encontra-se num estado isolado. A natureza onírica e vagarosa do filme, assim, faz-nos mergulhar neste mundo e questionar-nos acerca das ideias que propõe. Num aspeto macro, o lugar do individuo no Cosmos (e o lugar do Cosmos no individuo), e num aspeto mais social, abrange esta geração, que não vê grande futuro num mundo cada vez mais afetado pelas alterações climáticas.

Isto é brilhantemente representado pelas belas imagens que recheiam a obra. Começando logo pela sequência inicial, que entrelaça o Homem e o universo, com as bolhas de água a virarem estrelas, e o corpo o cosmos. Os visuais são, sem dúvida, o aspeto mais bem conseguido desta longa-metragem. Conseguem transmitir eficientemente a escala, o sentimento e o simbolismo dos conceitos de forma esteticamente atraente. Da mesma forma, os efeitos visuais são irrepreensíveis, do melhor que já se viu no cinema português.

Em termos estéticos, o filme vai beber de várias fontes. Desde Her de Spike Jonze, a Gattaca de Andrew Niccol, a inspiração é visível em elementos como o vestuário e caraterização (a aparência de Miguel a fazer lembrar o Joaquin Phoenix no filme de Jonze), até ao estilo visual e tom melancólico. Estas referências podem ser, por vezes, demasiado flagrantes, mas, ao longo do tempo, o filme adquire uma identidade própria.

A história perde-se no seu próprio “mar infinito”

Onde o filme mais peca é no último terço. O discurso existencialista, que até então, com algumas exceções, estava intrigante e estimulante, acompanhado por belas imagens, começa a cansar quando a narrativa perde embalo, perdendo-se no meio de sonhos e banalidades filosóficas. Nota-se a falta de um gancho narrativo mais forte, indicando que se calhar o filme funcionaria melhor como uma curta-metragem. No entanto, a componente visual está tão espetacularmente bem conseguida que, por outro lado, merece fazer parte de uma longa no grande ecrã.

E ainda bem que assim é. Se se perde no seu próprio universo em termos de argumento, ao menos fá-lo com grande competência nos outros aspetos. A atuação dos atores nunca é menos que empenhada, notando-se um grande nível de química entre os dois. E o que a história passa, no fundo, é a relação profunda entre estas duas pessoas, que procuram um sentido para a sua vivência quando toda a gente os deixou para trás. Uma alegoria para uma geração, algo que só a ficção científica tem o poder de criar desta forma.

Mais Lidas

Melhores Séries Originais do Disney Channel

O Disney Channel acompanhou e acompanha várias gerações, decidimos...

Let’s Talk # 4 c/ Nuno Duarte (Jel)

A 4ª. Edição do Let’s Talk no Cinema Pla’net conta...

Blake Lively encontra-se em “Águas Perigosas”

Blake Lively fica encurralada por um tubarão num cenário...

Cinema a 2,5 euros durante 3 dias

Vão ser perto de 500 salas de cinema que...

As Melhores Listas

Lista de séries obrigatória para ver em 2022

A escolha é difícil quando a oferta é muita,...

Descubra 7 Comédias Francesas para ver este Verão

Destacamos as 7 Comédias Francesas que estão marcadas para...

12 melhores comédias francesas com Christian Clavier

Christian Clavier torna-se cada vez mais em sinónimo de...

Filmes com personagens super heróis para descobrir

Não marcaste no calendário todos os filmes de Super-Heróis que vão estrear? Com tanto ainda por acontecer, o Cinema Pla'net preparou já a agenda!

6 filmes de Terror a não perder este ano

Este ano, os fãs de filmes de terror já...
Marcos Silva
Marcos Silvahttps://letterboxd.com/silvasnake/
22 anos, licenciado em Audiovisual (facto que o faz ter opiniões extremamente pretensiosas). Apreciador de música, séries, futebol, e acima de tudo cinema, e os seus vários géneros, com soft spot por comédias dramáticas indie dos anos 90. Música da mesma década também. Estou a presentir um padrão aqui.

O primeiro NFT de cinema em Portugal

O mundo das cripto moedas começa cada vez mais a expandir-se a novas áreas. A aposta é pelo novo filme Curral de Moinas -...

O que é NFT? Descubra como funciona este Token

Com a popularização das criptomoedas, o NFT também se tornou uma reserva de valor importante, trazendo possibilidades de enriquecimento para todas as classes sociais. O...

Netflix Portugal, todas as estreias em Agosto 2022

A Netflix Portugal já nos deu a conhecer todas as estreias que vão acontecer no mês de agosto em Portugal. Vai ser um mês...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mar Infinito - o universo imenso e íntimo"Mar Infinito" é um sci-fi à portuguesa que reflete sobre a solidão e a ligação humana de forma atual e istigante, e merece ser visto no cinema.