CinemaDestaquesMatérias EspeciaisProp-ology – O Sabre de Luz (A Guerra das Estrelas)

O sabre de luz estreou-se com A Guerra das Estrelas em 1977 e desde logo a sua imagem tornou-se um ícone da história do cinema e do género da fantasia. O seu conceito simples, mas original, inspirou não só inúmeros brinquedos, mas também designs originais feitos pelos fãs da saga. Nos filmes, o sabre de luz é um objecto semelhante a uma lanterna de mão que emite um feixe de luz capaz de cortar a...
Nov 20, 20187 min

O sabre de luz estreou-se com A Guerra das Estrelas em 1977 e desde logo a sua imagem tornou-se um ícone da história do cinema e do género da fantasia. O seu conceito simples, mas original, inspirou não só inúmeros brinquedos, mas também designs originais feitos pelos fãs da saga.

Nos filmes, o sabre de luz é um objecto semelhante a uma lanterna de mão que emite um feixe de luz capaz de cortar a maioria das substâncias, incluindo metais, com grande facilidade. É a arma predilecta dos Jedi e dos Sith e, sinceramente, nem sei porque me estou a dar ao trabalho de explicar. Quem não conhece “A Guerra das Estrelas”?

Roger Christian, decorador do set do filme “A Guerra das Estrelas”, conta a história de como o sabre de luz, tal como o conhecemos, foi inventado.

Quando vi a pintura de Ralph McQuarrie e a descrição do George [Lucas] do sabre de luz, sabia que isto seria o símbolo do filme. Era óbvio. Ele tinha inventado algo que toda a gente no mundo iria querer.

No entanto, não conseguia encontrar nada que ficasse bem. Levou-me à loucura. Tinhamos que preparar isto e eu estava a ficar preocupado. A equipa de efeitos especiais fez alguns parecidos com lanternas, mas simplesmente não pareciam bem. O George rejeitou-os.

Vê também: Star Wars: o fenónemo sci-fi que mudou o cinema

Em desespero, um dia, estava a fazer os binóculos do Luke e […] precisava de duas lentes para a parte da frente e havia uma loja de fotografia em Londres onde alugávamos sempre o nosso equipamento, por isso fui lá comprar as lentes e perguntei ao dono “Ouça, tem algo que possa interessar? Preciso de algo para fazer um punho de uma arma. Tem algo que eu possa dar uma olhada?”. E ele respondeu “Veja ali, há umas caixas cobertas de pó”. Literalmente na primeira caixa que peguei, havia estes manípulos de uma [câmara] Graflex e havia uns seis na caixa. E isto seria como ir em slow motion, com a música a subir. Tirei-os da caixa e foi como encontrar o Santo Graal. Eram objetos bonitos. Até tinham um botão vermelho.

sabre de luz

Meti-me no carro e corri para o estúdio. Pensei, tenho que ter o punho. Tirei um pedaço de borracha e coloquei-o como um manípulo à volta. Encontrei uma peça de calculadora com os números aumentados e era como “bubble strip” e encaixava na perfeição. Segurei na minha mão e pensei: “É isto mesmo”. Telefonei ao George e disse-lhe que tinha que ver aquilo. Ele foi, pegou nele e sorriu. Com o George isso é mais que aprovação. Terão acertado no centro do alvo se conseguirem um sorriso. […]

Então, o primeiro que fiz custou cerca de 12 doláres americanos.

E assim surgiu o primeiro sabre de luz. Um simples objeto que inspira miúdos e graúdos, e que tem igualmente o efeito nostálgico de nos transportar de volta ao momento em que tivemos o primeiro contacto com a saga.
Que a Força esteja convosco.
Pedro Cruz

Pedro Cruz

Amante de tudo o que afaste o tédio, incluindo cinema, TV, desenho, trabalhos manuais, leitura e escrita. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores e proficiente na arte da procrastinação.