Grandes realizadoras da sétima arte não são algo novo. Já existem há mais de 100 anos…

Neste exercício criativo comparamos unicamente pontuações no IMDb para descortinar que mulheres poderiam ter sido nomeadas ao Óscar de Melhor Realização.

Publicidade

Ao longo das 92 edições dos prémios da Academia, apenas 5 realizadoras foram nomeadas ao Óscar de Melhor Realização e dessas 5 apenas uma ganhou em 2009, Kathryn Bigelow, por “Estado de Guerra”.

Num exercício criativo sem qualquer análise crítica, comparamos pontuações de IMDb dos realizadores nomeados em cada cerimónia dos Óscares, com filmes realizados por mulheres no mesmo ano. Cada vez que a pontuação IMDb de um filme de uma realizadora é superior à de um filme de um realizador nomeado ao Óscar de Melhor Realização, assinalamos a troca!

1932, 5ª Edição dos Óscares
Lotte Reineger por “As Aventuras do Príncipe Achmed”
(The Adventures of Prince Achmed) 7,8 IMDb
em vez de Frank Borzage por “Uma Jóia de Rapariga” 6,5 IMDb

1956, 28ª Edição dos Óscares
Nancy Hamilton por “The Unconquered”
8,1 IMDb
em vez de Joshua Logan por “Piquenique” 7,1 IMDb

1963, 35ª Edição dos Óscares
Agnès Varda por “2 Horas na Vida de uma Mulher”
(Cleo From 5 to 7) 8,0 IMDb
em vez de Frank Perry “David e Lisa” 7,2 IMDb

1967, 39ª Edição dos Óscares
Agnès Varda por “A Felicidade”
(Le bonheur) 7,6 IMDb
em vez de Richard Brooks “Os Profissionais” 7,3 IMDb

1972, 44ª Edição dos Óscares
Elaine May por “Vida Nova”
(A New Leaf) 7,4 IMDb
em vez de John Schlesinger “Sunday Bloody Sunday” 7,1 IMDb

1977, 49ª Edição dos Óscares
Lina Wertmüller por “Pasqualino das Sete Beldades”
(Seven Beauties) 7,8 IMDb
Primeira Mulher Nomeada ao Óscar de Melhor Realização

1977, 49ª Edição dos Óscares
Barbara Kopple por “Harlan County U.S.A.”
8,3 IMDb
em vez de Ingmar Bergman “Face a Face” 7,6 IMDb

1978, 50ª Edição dos Óscares
Chantal Anne Akerman por “Jeanne Dielman, 23, quai du commerce, 1080 Bruxelles”
7,8 IMDb
em vez de Herbert Ross “A Grande Decisão” 6,9 IMDb

1979, 51ª Edição dos Óscares
Claudia Weill por “Duas Mulheres em New York”
(Girlfriends) 7,1 IMDb
em vez de Warren Beatty & Buck Henry “O Céu Pode Esperar” 6,9 IMDb

1982, 54ª Edição dos Óscares
Penelope Spheeris por “The Decline of Western Civilization”
7,6 IMDb
em vez de Louis Malle “Atlantic City, USA” 7,3 IMDb

1984, 56ª Edição dos Óscares
Julia Reichert (& Jim Klein) por “Seeing Red”
7,5 IMDb
em vez de Mike Nichols “Reacção em Cadeia” 7,2 IMDb

1987, 59ª Edição dos Óscares
Brigitte Berman por “Artie Shaw: Time is All You’ve Got”
7,9 IMDb
em vez de James Ivory “Quarto com Vista Sobre a Cidade” 7,3 IMDb

1989, 61ª Edição dos Óscares
Mira Nair por “Salaam Bombay”
8,0 IMDb
em vez de Mike Nichols “Uma Mulher de Sucesso” 6,8 IMDb

1991, 63ª Edição dos Óscares
Barbara Kopple & Cathy Caplan por “American Dream”
7,8 IMDb
em vez de Stephen Frears “Anatomia do Golpe” 6,9 IMDb

1992, 64ª Edição dos Óscares
Jane Campion por “Um Anjo à Minha Mesa”
(An Angel at My Table) 7,5 IMDb
em vez de Barry Levinson “Bugsy” 6,8 IMDb

1994, 66ª Edição dos Óscares
Jane Campion por “O Piano”
(The Piano) 7,6 IMDb
Segunda Mulher Nomeada ao Óscar de Melhor Realização

1996, 68ª Edição dos Óscares
Marleen Gorris por “Antonia”
(Antonia’s Line) 7,4 IMDb
em vez de Chris Noonan “Um Porquinho Camado Babe” 6,7 IMDb

2000, 72ª Edição dos Óscares
Kimberly Peirce por “Os Rapazes Não Choram”
(Boys Don’t Cry) 7,5 IMDb
em vez de Lasse Hallström “Regras da Casa” 7,4 IMDb

2001, 73ª Edição dos Óscares
Mary Harron por “American Psycho”
7,6 IMDb
em vez de Steven Soderbergh “Erin Brokovich” 7,3 IMDb

2002, 74ª Edição dos Óscares
Vicky Jenson (& Andrew Adamson) por “Shrek”
7,8 IMDb
em vez de Robert Altman “Gosford Park” 7,2 IMDb

2004, 76ª Edição dos Óscares
Sofia Coppola por “O Amor é um Lugar Estranho”
(Lost in Translation) 7,7 IMDb
Terceira Mulher Nomeada ao Óscar de Melhor Realização

2004, 76ª Edição dos Óscares
Niki Caro por “A Domadora de Baleias”
(Whale Rider) 7,5 IMDb
em vez de Peter Weir “Master & Commander” 7,4 IMDb

2006, 78ª Edição dos Óscares
Susanne Bier por “Irmãos”
(Brødre) 7,5 IMDb
em vez de Bennett Miller “Capote” 7,3 IMDb

2007, 79ª Edição dos Óscares
Amy Berg por “Livrai-nos do Mal”
(Deliver Us From Evil) 7,9 IMDb
em vez de Alejandro González Iñárritu “Babel” 7,4 IMDb

2007, 79ª Edição dos Óscares
Susanne Bier por “Depois do Casamento”
(Efter brylluppet) 7,7 IMDb
em vez de Stephen Frears “A Rainha” 7,3 IMDb

2008, 80ª Edição dos Óscares
Marjane Satrapi (& Vincent Paronnaud) por “Persépolis”
8,0 IMDb
em vez de Tony Gilroy “Michael Clayton” 7,2 IMDb

2010, 82ª Edição dos Óscares
Kathryn Bigelow por “Estado de Guerra”
(The Hurt Locker) 7,6 IMDb
Única Mulher Vencedora do Óscar de Melhor Realização

2010, 82ª Edição dos Óscares
Agnès Varda por “As Praias de Agnès”
(Les plages d’Agnès) 8,0 IMDb
em vez de Jason Reitman “Nas Nuvens” 7,4 IMDb

2010, 82ª Edição dos Óscares
Nora Twomey (& Tomm Moore) por “The Secret of Kells”
7,6 IMDb
em vez de Lee Daniels “Precious” 7,3 IMDb

2011, 83ª Edição dos Óscares
Susanne Bier por “Num Mundo Melhor”
(In a Better World) 7,6 IMDb
em vez de Ethan Coen e Joel Coen “Indomável” 7,5 IMDb
Vencedora do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

2012, 84ª Edição dos Óscares
Lynne Ramsay por “Temos de Falar Sobre Kevin”
(We Need to Talk About Kevin) 7,5 IMDb
em vez de Alexander Payne “Os Descendentes” 7,3 IMDb

2015, 87ª Edição dos Óscares
Laura Poitras por “Citizenfour”
8,1 IMDb
em vez de Alejandro González Iñárritu “Birdman” 7,7 IMDb

2015, 87ª Edição dos Óscares
Ava DuVernay por “Selma – A Marcha da Liberdade”
(Selma) 7,5 IMDb
em vez de Bennett Miller “Foxcatcher” 7,0 IMDb

2017, 89ª Edição dos Óscares
Ava DuVernay por “A 13ª Emenda”
(13th) 8,2 IMDb
em vez de Kenneth Lonergan “Manchester by the Sea” 7,8 IMDb

2017, 89ª Edição dos Óscares
Dorota Kobiela (& Hugh Welchman) por “A Paixão de Van Gogh”
(Loving Vincent) 7,8 IMDb
em vez de Barry Jenkins “Moonlight” 7,4 IMDb

2018, 90ª Edição dos Óscares
Greta Gerwig por “Lady Bird”
7,4 IMDb
Quinta Mulher Nomeada ao Óscar de Melhor Realização

2018, 90ª Edição dos Óscares
Naoko Yamada por “A Silent Voice”
8,2 IMDb
em vez de Guillermo Del Toro “A Forma da Água” 7,3 IMDb

2019, 91ª Edição dos Óscares
Nadine Labaki por “Cafarnaum”
(Capernaum) 8,4 IMDb
em vez de Spike Lee “BlacKkKlansman: O Infiltrado” 7,5 IMDb

2019, 91ª Edição dos Óscares
Elizabeth Chai Vasarhelyi (& Jimmy Chin) por “Free Solo”
8,2 IMDb
em vez de Adam McKay “Vice” 7,2 IMDb

2020, 92ª Edição dos Óscares
Tamara Kotevska (& Ljubomir Stefanov) por “Honeyland”
8,0 IMDb
em vez de Quentin Tarantino “Era Uma Vez em… Hollywood” 7,7 IMDb

Analisando os resultados, pelo menos 40 mulheres poderiam ter sido nomeadas ao Óscar de Melhor Realização. Sendo que desde 2000 teriam sido 23 as mulheres nomeadas. Com múltiplas nomeações para Agnès Varda (3), Susanne Bier (3), Barbara Kopple (2), Jane Campion (2) e Ava DuVernay (2).

A primeira nomeação para uma realizadora ocorreria logo na 5ª edição dos Óscares pelo filme de animação alemão “As Aventuras do Príncipe Achmed”, de Lotte Reiniger. Obviamente que é um caso altamente improvável, mas ainda hoje o filme encontra-se em diversas listas dos melhores filmes de sempre realizados por uma mulher.

A primeira vencedora teria sido Nancy Hamilton em 1956 pelo documentário “The Unconquered”. Embora igualmente improvável, uma vez que nenhum documentário obteve uma nomeação ao Óscar de Melhor Realização, a verdade é que nesse ano Nancy Hamilton recebeu mesmo o Óscar de Melhor Documentário.

A segunda vencedora, também por um documentário, seria Barbara Kopple por “Harlan County U.S.A.” (8,3), ultrapassando o vencedor John G. Avildsen por “Rocky” (8,1) e a outra mulher nomeada Lina Wertmüller por “Pasqualino das Sete Beldades” (7,8). Kopple venceu o Óscar de Melhor Documentário.

No entanto, seguindo a lógica das pontuações do IMDb, Kathryn Bigelow não teria vencido o Óscar em 2010, pois dos realizadores nomeados nesse ano, tanto James Cameron por “Avatar” (7,8) como Quentin Tarantino por “Sacanas Sem Lei” (8,3), realizaram filmes com uma pontuação superior.

Num caso particular, em 2015, mesmo retirando “Birdman” por ter 7,7 no IMDb, a vencedora não teria sido Laura Poitras por “Citizenfour”, mas sim Wes Anderson por “Grand Budapest Hotel”, pois apesar de ambos terem 8,1 o filme de Anderson tem mais de 670 mil votos enquanto o documentário de Poitras tem cerca de 50 mil. “Citizenfour” venceu o Óscar de Melhor Documentário.

Apenas em 2017, uma terceira realizadora venceria o Óscar de Melhor Realização pelo documentário “A 13ª Emenda” de Ava DuVernay, pois com 8,2 no IMDb ultrapassaria todos os realizadores nomeados nesse ano, incluindo a melhor pontuação de 8,1 no IMDb para “O Herói de Hacksaw Ridge” de Mel Gibson. Mais uma vez, a ressalvamos que a vitória de uma realizadora de um documentário na categoria de Melhor Realização é altamente improvável.

Noutro caso particular, em 2018, mesmo retirando “A Forma da Água” por ter 7,3 no IMDb, a vencedora não seria Greta Gerwig por “Lady Bird” (7,4) mas sim Naoko Yamada pelo filme de animação “A Silent Voice” (8,2), que supera o outro nomeado com pontuação mais alta Christopher Nolan por “Dunkirk” (7,9).

A quinta mulher vencedora do Óscar de Melhor Realização teria sido Nadine Labaki por “Cafarnaum” que com 8,4 no IMDb supera todos os outros realizadores nomeados incluindo o vencedor Alfonso Cuarón cujo “Roma” tem 7,7 de pontuação. Das 5 possíveis vencedoras, esta é claramente a vitória hipotética mais realista.