Netflix em Portugal já quase dispensa apresentações. Funciona desde 2015 e tem conquistado cada vez mais utilizadores no nosso país. O catálogo Netflix Portugal conta com milhares de filmes e séries, uma das mais-valias da mesma e uma das razões pela qual soma já um grande número de clientes. Em contrapartida, devido à variedade de conteúdo, existem muitas séries “escondidas” na Netflix e que acabam por ser esquecidas pelos espectadores.

Publicidade

Por esta razão, decidi apresentar:

10 séries “escondidas” na Netflix que precisas de ver

1. One Day at a Time (2017-2020)

Baseada numa sitcom de 1975 com o mesmo título, One Day at a Time conta a história de uma família de imigrantes cubanos: a mãe, recém-divorciada, e a avó caricata que criam uma adolescente e um pré-adolescente. Apesar de ser uma comédia, a mesma fala de questões como doenças mentais, imigração, sexismo, homofobia, identidade de género e racismo que o povo latino passa nos Estados Unidos.

Ainda depois de ter sido cancelada na terceira temporada, a emissora Pop TV resgatou-a e a série recebeu uma quarta temporada em 2020. Ao longo destas, a série demonstra uma capacidade enorme no que trata de representar a realidade nos melhores e piores momentos. O reconhecimento torna-se mais merecido pois o programa mantém a comédia presente, ou seja, consegue arrancar risadas do espectador mesmo através de temas mais complexos.

2. Alexa & Katie (2018-2020)

Uma comédia original Netflix, criada por Heather Wordham. Na história, podemos ver duas adolescentes, Alexa, que luta contra um cancro, e Katie, que a ajuda, como sua melhor amiga, e ambas se preparam para tudo o que vier.

A serie tem três temporadas, que apresentam vários talentos ao mundo, como Paris Berelc Isabel May, que representam, respetivamente, Alexa e Katie. Ambas tentam derrubar todas as barreiras impostas pelo ensino médio, isto enquanto Alexa lida com o cancro.

3. The Good Place (2016-2020)

Produzida por Michael Schur, conhecido por escrever e produzir a série de comédia The Office, que é um enorme sucesso. Ainda assim, The Good Place não fica nada atrás.

Esta segue o desenvolvimento de Eleanor Shellstrop, interpretada pela inigualável Kristen Bell, após a sua morte. Ao aperceber-se que foi enviada para o “céu”, que na série tem o nome de The Good Place, esta tem que esconder a sua imperfeita moralidade. Ao mesmo tempo, vai tentando tornar-se uma pessoa melhor e mais ética para, assim, merecer o seu lugar. The Good Place, desde logo, começou a receber críticas positivas pela sua escrita, elenco, originalidade e até pelo cenário.

4. Ashley Garcia: Genius in Love (2020-2020)

A série de comédia gira à volta de Ashley Garcia, de apenas quinze anos, e que persegue uma carreira em robótica. Contudo, para isso acontecer, ela vê-se obrigada a mudar-se para a casa do tio Victor, que fica do outro lado do país.

Após instalar-se na casa do tio, Ashley reencontra uma velha amiga e, com a sua ajuda, tenta a sorte com o romance.

5. Dear White People (2017)

Saindo um bocado da zona da comédia, temos a magnifica sátira produzida por Justin Simien. Baseada num filme com o mesmo nome, esta série segue um grupo de estudantes de cor na Universidade de Winchester.

Os alunos deparam-se com um instituto de preconceito cultural, injustiça social, ativismo equivocado e política corrupta. Com a ajuda da ironia, auto depreciação, honestidade brutal e também um pouco de humor, esta aborda questões que ainda perturbam a sociedade “pós-racial” de hoje.

6. Zero Chill (2021)

Um drama adolescente britânico produzido por Lime Pictures. A série foca-se na família MacBentley que se vê obrigada a mover-se do Canadá para a Inglaterra por causa do filho, que recebe um contrato para uma equipa de hóquei em patins. Já a sua irmã gémea não se encontra tão contente com a situação pois tem que deixar tudo para trás.

Devido aos seus dramas familiares, é uma serie deveras aconchegante para se ver com a família num domingo à tarde.

7. Dash & Lily (2020)

Uma comédia romântica criada por Joe Tracz, baseada na série de livros escritos por David Levithan e Rachel Gohn. Durante a época natalícia, um turbilhão de romances se constrói quando o cínico Dash e a otimista Lily trocam desafios, sonhos e desejos através de um caderno que vão passando de um lado para o outro da cidade de Nova Iorque.

8. Bonding (2019)

Bonding é uma comédia de humor negro bastante peculiar, produzida por Rightor Doyle. A série conta a vida de Tiff, estudante de psicologia durante o dia e dominatrix à noite, e Pete, o seu melhor amigo gay do secundário, que acaba por se tornar ajudante no seu trabalho invulgar.

Este par improvável redefine a sua amizade através do novo relacionamento profissional. Mas mais importante, esta torna-se uma viagem de autodescoberta.

9. Control Z (2020)

Um drama adolescente mexicano criado por Carlos Quintanilla Sakar, Adriana Pelusi e Miguel Garcia Moreno. Tudo começa numa assembleia no Colégio Nacional, onde um hacker expõe um segredo de um estudante, mas este é o primeiro de muitos. Sofia Herrera, uma adolescente introvertida, tenta descobrir e desmascarar o hacker ao longo dos episódios, antes do segredo dela se tornar público.

10. Warrior Nun (2020)

Por último, mas provavelmente a mais importante pois o papel principal desta série foi atribuído a uma atriz portuguesa, Alba Baptista, que interpreta Ava Silva. Não é a única, uma vez que Joaquim de Almeida também está presente no elenco, no papel de Cardinal Duretti. A série foi criada por Simon Barry e é baseada numa banda desenhada de Ben Dunn.

Originalmente iria ser um filme, mas acabou numa série depois da Netflix dado autorização à produção de uma temporada. Esta narra a historia de Ava Silva, uma órfã quadriplégica que, milagrosamente , ganha super poderes, mas é obrigada a juntar-se a uma antiga ordem de freiras guerreiras.

Ver também: 10 filmes imperdíveis para ver este verão

Das 10 séries escondidas na Netflix sugeridas, qual foi a que mais te despertou curiosidade para ver? Depois de ter visto todas, fica difícil escolher uma porque gostei bastante de todas, exceto Ashley Garcia e Zero Chill pois acho que falta essência às mesmas. Mas se tivesse que escolher, provavelmente seria a Bonding por algumas razões. Desde a questão à volta da sexualidade até à importância de uma dominatrix na vida sexual de algumas pessoas, mas, mais importante porque desmistifica o sadomasoquismo.