Cinema Críticas Críticas de Cinema Destaques

Arraste-me para o Inferno, sabe tudo sobre o filme de Sam Raimi

  • Janeiro 28, 2023
  • 5 min read

Arraste-me para o Inferno (ou Drag me to Hell no original) é um filme de terror de Sam Raimi de 2009. O realizador americano escreveu a história desta longa metragem com o irmão Ivan Raimi dez anos antes de o realizar: a trilogia Spider-Man ocupou-lhe todo o tempo e só após fazer estes blockbusters conseguiu se dedicar a este filme. Raimi queria algo mais de baixo orçamento e completamente diferente em tom dos filmes de super-heróis que havia feito; Arraste-me para o Inferno é exatamente isso, e de que maneira!

Descobre Arraste-me para o Inferno, de Sam Raimi

Fica a conhecer um dos filmes mais underrated de Sam Raimi, feito no rescaldo dos filmes do Homem-Aranha, Arraste-me para o Inferno!

Arraste-me para o Inferno é um retorno às raízes

Com Arraste-me para o Inferno, Sam Raimi volta às suas raízes como realizador, de certa forma. É um filme sangrento e horripilante, e hilariante ao mesmo tempo, com atmosfera de filme B.

Arraste-me para o Inferno

Qual o sinopse e elenco de Arraste-me para o Inferno?

Christine Brown (interpretada por Alison Lohman) é uma jovem funcionária de um banco que lida com créditos à habitação. Um dia, para impressionar o chefe e este lhe dar uma promoção que há tanto tempo deseja, Christine efetiva o despejo de uma senhora que não consegue pagar a casa; o que ela não sabia é que essa senhora era uma espécie de bruxa, que a amaldiçoa pelo que lhe fez. Christine passa, então, a ser perseguida por um espírito maligno, que irá atormentá-la… até ao Inferno. Ninguém, nem o namorado (interpretado por Justin Long) acreditam nela, por isso ela vai recorrer a médiuns para tentar escapar à praga que lhe foi rogada e salvar a sua alma.

Arraste-me para o Inferno

No fundo, é um conto sobre moralidade. É uma história relativamente simples mas que nos faz questionar a nossa própria moralidade e nos pormos no lugar de Christine: o que é que faríamos se estivéssemos na sua situação? E, simultaneamente, divertimo-nos com quão insanas são as sequências de terror e os limites de “decência” que eventualmente este filme passa. Os filmes Evil Dead estabeleceram Raimi como um realizador que brinca com todo o tipo de movimentos de câmara ousados e uso de efeitos práticos para alcançar uma experiência cinemática enérgica e única. E também, claro, aliar o cómico ao horrendo.

Tal como os filmes Evil Dead, Arraste-me para o Inferno tem sempre uma camada campy que nos permite rir da terríveis coisas que acontecem ao longo da história: temos uma bruxa que vomita incessantemente, uma cabra demoníaca falante e muito mais. Isto não podia ser feito por mais ninguém sem ser Sam Raimi.

Um filme imperfeito, mas underrated

Arraste-me para o Inferno é um filme com várias surpresas e momentos chocantes que te vão deixar de boca aberta. Mas também tem os seus momentos mais fracos. O guião por vezes demonstra que precisaria mais alguns drafts para tornar o diálogo mais cativante. O ritmo também é um pouco desajeitado; algumas sequências de gross-out humor/horror duram talvez demais. Apesar de serem divertidas, sente-se que não avançam muito a história, sendo nojentas só para serem nojentas.

Para além disso, apesar de ter bons usos de efeitos práticos, tem também vários momentos de CGI menos bem conseguidos. No terror, os efeitos práticos costumam ser mais eficazes e aqui não é exceção; não tendo o CGI uma qualidade tremenda, algumas sequências que o usam em demasia perdem algum do seu poder.

Alison Lohman em Arraste-me para o Inferno

Mesmo assim, quando o filme é bom, é realmente bom. Conseguimos nos identificar com Christine. Ela é um boa pessoa que apenas fez um ato mais egoísta; mas percebemos também porque é que ela agiu daquela forma, dado que é pressionada pelo chefe, e por todas as pessoas na sua vida, na verdade. Se por um lado temos pena dela, por acharmos que não merece todos os infortúnios que lhe acontecem como consequência sobrenatural do que fez, por outro, vemos que o caminho trágico que iniciou devido à sua decisão menos bondosa não poderá acabar de outra forma; que Christine tem de ser punida de alguma forma. O terceiro ato de Arraste-me para o Inferno vai surpreender qualquer um, e dá um final bombástico que não estás à espera a toda a história.

Considerações finais

Sam Raimi fez um dos melhores filmes de super-heróis com Spider-Man 2, e após concluir essa trilogia, precisava de voltar ao que (também) faz melhor: filmes campy de terror e comédia negra. Arraste-me para o Inferno é um pequeno filme menos mencionado da carreira do realizador americano que merece igual destaque: não se leva demasiado a sério, mas tem nas suas bases temas cativantes que deixam o espetador a questionar as suas próprias decisões e moralidade. Acima disso tudo, é divertidíssimo de ver, com igual número de sustos e gargalhadas. Não sabemos se Raimi vai continuar nos blockbusters após ter feito no ano passado a sequela de Doctor Strange, mas se ele quiser apanhar algum ar entre estas maiores produções, sabemos que os seus filmes mais “simples” podem ser, da mesma forma, fantásticos e talvez ainda mais criativos.

About Author

Marcelo Silva

23 anos, licenciado em Tecnologia da Comunicação Audiovisual na Escola Superior de Media Artes e Design. Ainda a pensar nos segundos finais do The Graduate. https://letterboxd.com/Silva_Cobra/

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *