Abril águas mil. Esta frase faz sentido quando vivemos em Londres, e sejamos sinceros, faz sentido a qualquer mês do ano. No passado fim de semana estive no BFI & Radio Times para celebrar o que de melhor tem a televisao britânica para oferecer.

Este festival é uma parceria entre o BFI e a revista de programação mais popular do pais – Radio Times. Durante três dias temos um leque de eventos para todos os gostos. Varia entre as melhores series de ficção, entretenimento, passando por sessões retiradas dos seus arquivos. Portanto senta-te confortavelmente, pega numa bebida a teu gosto e vem comigo nesta viagem.

Publicidade

Tudo começou numa sexta-feira. Nada melhor do que uma sessão com o Chef Jamie Oliver para nos abrir o apetite. O apresentador anunciou a sua chegada ao palco como “Ele ensinou toda uma geração de homens a cozinhar.” Com um novo livro a chegar ás bancas “The Naked Chef”, onde nos apresenta uma forma de cozinhar mais simples e mais rápida, também nos falou de como falhou quando andava na escola e que agora compreende o que é dislexia. A sala encheu-se de gargalhadas quando disse que “Dantes achávamos que cozinhar era para mulheres, agora cozinhamos para conquistarmos mulheres!”

Seguimos para o evento mais esperado do dia, a conversa com o argumentista e criador da serie “Guarda-Costas” da BBC, Jed Mercurio. Depois do sucesso incrível do “Gerente da Noite”, chega-nos esta série que retrata a relação de um ex-militar tornado segurança da Ministra da Administração Interna. Um thriller politico que deixou as audiências no Reino Unido em sobressalto todos os domingos. E que deu, igualmente, um Globo de Ouro ao ator Richard Madden. O criador falou-nos das dificuldades de filmar numa cidade como Londres e de como a televisão está quase a ultrapassar o cinema em termos de conteúdo.

No sábado tivemos sessões diretamente dos Arquivos do BFI. Uma sobre o “Homem das Estrelas”, uma sessão onde assistimos a entrevistas e performances, passando igualmente pelas suas participações no cinema, de David Bowie. E outra na qual vimos os primeiros e mais antigos anuncios da T.V. Britânica.

No final da tarde eu tive o prazer de entrevistar e falar com o cast e criador da nova grande serie da BBC “Years and Years” (que iremos publicar em breve) escrita e criada por Russell T. Davies (Doctor Who) e onde pude visionar o primeiro episódio. Esta série é um drama familiar onde, após um evento, dá um salto de quinze anos no futuro. A grande estrela da serie é a atriz Emma Thompson.

No ultimo dia do festival contamos com eventos como uma conversa assombrada com Mark Gatiss (Sherlock) sobre a sua paixão por historias de fantasmas e terror. Obras que lia quando era mais novo, séries que fez para a BBC… E revelou-nos como a ideia para escrever a nova serie “Drácula” surgiu:

Estávamos a filmar Sherlock e eu mostrei uma foto que tirei do Benedict (Cumberbatch) onde aparecia a silhueta dele e disse “Não faz lembrar o Drácula?” e o produtor da BBC virou-se para mim e disse “Queres fazer essa série?” e eu disse que sim.”

Mark Gatiss também nos disse (ou prometeu?) o que vamos achar dessa nova versão:

Eu acho que vocês vão gostar muito deste Drácula

No final do dia tivemos sessões com Charlie Brooker e Annabel Jones. Falaram-nos sobre a aclamada serie “Black Mirror”, inclusive o seu mais recente episódio “Bandersnatch” onde a audiência pode escolher os caminhos que as personagens fazem levando-as a finais diferentes. Perguntaram se este era o futuro ao que a resposta foi:

Não é o futuro, é um futuro. Não é uma cena, é uma experiência.

Vê também: A Maldição da Mulher Que Chora – Vais ter pena ou medo?

O festival terminou com a convidada de honra Helen Mirren, que estreará uma nova série “Catherine The Great” em breve. A atriz que conta com décadas de carreira e prémios, falou de como se sentiu nervosa por aceitar este papel e como passar do palco para as câmaras a assustou no inicio.

E assim terminei a minha experiência neste festival de televisão. É com muito otimismo que vejo que a televisão está cada vez mais a apostar em grandes projetos. Não só em escala mas principalmente em qualidade e variedade. Trazer algo de novo, dar uma nova experiência ao público parece ser o que mais interessa aos produtores e criadores. E tu? O que mais queres ver na televisão?