CinemaCríticas de CinemaDestaquesBumblebee – Reboot Há Muito Esperado

Depois de 6 filmes de Transformers, Michael Bay sai da cadeira do realizador para dar o  lugar a Travis Knight que nos oferece o adorável “Bumblebee” Nesta nova aventura no mundo dos Transformers (que serve como um reboot suave ao franchise), Travis Knight transporta-nos para 1987, ano em que a jovem Charlie Watson (Hailee Steinfeld) está à procura de um carro para poder se deslocar, deparando-se então com um carocha amarelo. Depois de conseguir obter...
João Borrega João BorregaDez 17, 201862/10011 min
Duração
114 minutos
Género
Ficção Científica, Aventura, Acção
Data de Estreia
20 DEZ. 2018
Distribuidor
NOS Audiovisuais
Overall Score
Rating Overview
Realização
75%
Representação
60%
Argumento
50%
Efeitos Visuais
75%
Banda Sonora
50%
Rating Summary
“Bumblebee” é o filme da saga Transformers que os fãs já estavam à espera há muito tempo. Com o coração e alma, consegue cativar a audiência até aos últimos momentos, fazendo com que esta peça mais destes filmes.

Depois de 6 filmes de Transformers, Michael Bay sai da cadeira do realizador para dar o  lugar a Travis Knight que nos oferece o adorável “Bumblebee

Nesta nova aventura no mundo dos Transformers (que serve como um reboot suave ao franchise), Travis Knight transporta-nos para 1987, ano em que a jovem Charlie Watson (Hailee Steinfeld) está à procura de um carro para poder se deslocar, deparando-se então com um carocha amarelo. Depois de conseguir obter o carro descobre que este é Bumblebee, um Transformer de outro planeta que veio para a Terra tentar salvar a mesma dos Decepticon.

Assim, Charlie e Bumblebee terão de proteger o mesmo do exército que está atrás dele, tendo como líder o Agente Burns (John Cena), e de dois Decepticon que souberam do paradeiro de Bumblebee e querem saber a localização de Optimus Prime.

Vê também: Roma – um poema em movimento
Bumblebee

Transformers é uma saga no grande ecrã que tem vindo a perder o interesse do público, muito devido à própria qualidade dos filmes terem vindo a diminuir drasticamente. Para “Bumblebee”, a produtora apostou então em arranjar sangue novo para a cadeira do realizador, contratando Travis Knight (“Kubo e as Duas Cordas”).

Esta foi, claramente, a melhor decisão tomada para poder salvar esta saga. “Bumblebee” é, provavelmente, o melhor filme da saga e o que os fãs estavam à espera de ver desde o início.

Com uma dimensão de escala mais pequena, o filme foca-se principalmente na relação entre Charlie e Bumblebee, sendo que é aqui onde se encontra o seu ponto mais forte. A química entre as duas personagens é amorosa e contagiante, com ótimos momentos cómicos que transportam o coração do filme.

Bumblebee

Ao contrário dos seus antecessores, em “Bumblebee” conseguimos distinguir os diferentes Transformers entre si, conseguindo percepcionar as suas personalidades e relacionarmo-nos mais com os mesmos. Não são apenas robots para o realizador se divertir e esbanjar dinheiro em efeitos visuais (que, como já é hábito, são incríveis). Os momentos de ação são gloriosos, bem filmados e com uma boa palete de cores, permitindo ao espectador discernir tudo em vez de se tornar uma cacofonia visual.

Devido ao background de Travis Knight em animação, muito daquilo que as personagens são é transmitido pelas suas expressões faciais, conferindo assim um sentido humano a estes o que apela à ligação com o espectador.

Enquanto que os outros filmes de Transformers tinham tentativas goradas de comédia, aqui todos os momentos cómicos têm fluidez e timing perfeito. Tanto a comédia física de Bumblebee como as piadas da personagem de John Cena, tudo resulta de modo a dar à audiência um bom momento no cinema.

Bumblebee

No entanto, como já foi referido, a ação deste “Bumblebee” decorre durante o ano de 1987 e, por esse motivo, transmite uma vibe do cinema dos anos 80. Não só na parte estética mas também em como a história é estruturada. É nesta última parte que reside o maior problema do filme, devido ao facto das bem aparentes semelhanças que tem com outro filme dos anos 80 – “E.T – O Extraterrestre”.

Ponto por ponto, o argumento deste filme cola-se demasiado ao de “E.T”, seja na motivação das personagens ou na sucessão de sequências. Isto confere um sentido de previsibilidade a “Bumblebee” e uma fórmula antiquada para os parâmetros de hoje. O filme roça a linha entre a homenagem e o plágio, quase não conseguindo ser um filme por si mesmo sem existir comparações com “E.T”.

Bumblebee

No final, Bumblebeeé o filme da saga Transformers que os fãs já estavam à espera há muito tempo. Com o coração e alma, e apesar das suas explícitas semelhanças com outras películas deste género, consegue cativar a audiência até aos últimos momentos, fazendo com que esta peça mais destes filmes.

João Borrega

João Borrega

João, 23 anos. Comunicador nato, com um apetite feroz para cinema e música. Quotes de cinema fazem parte do meu vocabulário diário e grande parte das minhas 24h é a pensar em filmes e cultura