CinemaCríticas de CinemaDestaques“Capitão Marvel” – Um início para algo melhor

Ao fim de 21 filmes e 10 anos nestas andanças, a MCU lança “Captain Marvel”, o primeiro filme da Marvel com uma heroína no leme. Protagonizado por Brie Larson (“Quarto”), “Captain Marvel” –  traduzido em português por “Capitão Marvel” por algum motivo – conta-nos a história de Vers, um membro da patrulha espacial que está a ser treinada por Jude Law para conseguir controlar os seus poderes de combate. Quando designada para a sua primeira...
João Borrega João BorregaMar 7, 201962/10012 min
Duração
124 minutos
Género
Ficção Científica, Aventura, Acção
Data de Estreia
07 MAR. de 2019
Distribuidor
NOS Audiovisuais
Overall Score
Rating Overview
Realização
65%
Representação
70%
Argumento
50%
Efeitos Visuais
75%
Edição
45%
Banda Sonora
70%
Rating Summary
No fim, “Captain Marvel” é um bom filme com grandes momentos, pequeno em escala mas satisfatório no seu total. Com boas personagens mas um argumento atribulado, “Captain Marvel” torna-se uma boa entrada para a grande refeição que será “Avengers: Endgame”.

Ao fim de 21 filmes e 10 anos nestas andanças, a MCU lança “Captain Marvel”, o primeiro filme da Marvel com uma heroína no leme.

Protagonizado por Brie Larson (“Quarto”), Captain Marvel –  traduzido em português por “Capitão Marvel” por algum motivo – conta-nos a história de Vers, um membro da patrulha espacial que está a ser treinada por Jude Law para conseguir controlar os seus poderes de combate.

Quando designada para a sua primeira missão para resgatar um espião Kree, Vers é então capturada pela raça alienígena Skrull, uns seres que conseguem transformar-se em qualquer ser vivo ao seu dispor.

Vê também: Revelada nova data de estreia, título e poster de “Maleficent 2”
Capitão Marvel

Quando estes começam a vasculhar na sua memória, percebemos que Vers tem poucas recordações de quem era antes e, despenhar a sua nave de fuga na Terra, terá de unir esforços com Fury (Samuel L. Jackson) para desvendar a sua identidade e travar uma guerra entre duas raças alienígenas que poderá destruir o Mundo.

Começando pelo elenco, terá de se tirar o chapéu a todos. Brie Larson transporta beleza, carisma e personalidade para esta Carol Danvers. Com humor e altos momentos badass, torna-se assim uma personagem que a audiência tem facilidade em apoiar.

A sua química com Samuel L. Jackson é inegável, injetando uma faísca de buddy cop ao filme com ótimas interações entre ambos. No outro campo, Ben Mendelsohn volta a estar no grande ecrã como vilão, neste caso como líder dos Skrull, e demonstra que não é por acaso que Hollywood lhe dá este tipo de papel.

Capitão Marvel

Num registo mais técnico, e à moda do que a Marvel já nos habituou, os efeitos visuais e sonoros estão on point. Como o filme decorre durante os anos 90, a banda sonora resgata alguns êxitos desta época à laGuardiões da Galáxia, que resgata algumas pérolas que transportam o espectador para aquela década de grunge e rock alternativo.

Captain Marvel tem a tarefa árdua de dar uma história de origem à sua heroína, tal como fazer a ligação para o próximo grande filme da Marvel, ligar alguns pontos narrativos do passado deste universo e, de forma subtil, demonstrar como poderá ser o futuro deste franchise. E, como resultado final, o filme tem dificuldades em lidar com tudo isto.

Não tem uma escala tão épica e grandiosa como outros filmes da MCU, o que poderá ser um sabor amargo para alguns fãs deste género. Para além de que é o filme com maior incidência em ficção científica atè à data, o que também poderá ser um defeito para alguns.

Capitão Marvel

Voltando a um formato já antigo da MCU, apesar da grande presença de Mendelsohn, o vilão fica um pouco soterrado sobre tudo o que o argumento pretende transmitir e todas as voltas e reviravoltas ao longo da narrativa. Não chega, assim, a conseguir injetar um sentimento de vilania ao longo do filme. O porto final da história com os Skrull é perfeito, mas poderia ter sido abordado de forma mais clara desde o início.

Na parte técnica, a grande falha provém da própria edição do filme. Seja em combates corpo-a-corpo bem como em momentos de diálogo, a edição apresenta cortes frios e repentinos, causando que algumas cenas percam o seu momentum e pareçam saídas de um trailer.

Capitão Marvel

No fim, “Captain Marvel” é um bom filme com grandes momentos, pequeno em escala mas satisfatório no seu total. Com boas personagens mas um argumento atribulado, “Captain Marvel” torna-se uma boa entrada para a grande refeição que será “Avengers: Endgame”.

João Borrega

João Borrega

João, 23 anos. Comunicador nato, com um apetite feroz para cinema e música. Quotes de cinema fazem parte do meu vocabulário diário e grande parte das minhas 24h é a pensar em filmes e cultura