Sete filmes portugueses foram a concurso e a primeira longa-metragem de Pedro Pinho venceu o Festival de Sevilha.

Decorreu entre os dias 3 e 11 de Novembro a 14ª edição do Festival de Cinema Europeu de Sevilha, onde o grande vencedor do festival a receber o Golden Giradillo foi “A Fábrica de Nada” de Pedro Pinho, sobre a história de um grupo de operários que tenta salvaguardar os seus postos de trabalho e evitar o encerramento de uma fábrica através de um sistema de autogestão coletiva. Pedro Pinho assina assim a primeira longa-metragem, filmada em 16mm, mas o filme de ficção foi construído em conjunto com Luísa Homem, Leonor Noivo, Tiago Hespanha, a partir de uma ideia de Jorge Silva Melo e da peça de teatro “A Fábrica de Nada”, de Judith Herzberg.

Para além de “A Fábrica de Nada”“Ramiro”, de Manuel Mozos e “Zama”, uma coprodução luso-argentina de Lucrecia Martel (que recebeu uma menção especial do júri), foram as três longas-metragens de produção ou coprodução portuguesa inseridas na Competição Oficial deste festival.

Festival de Sevilha
“A Fábrica de Nada”

O júri decidiu atribuir o Grande Prémio (2º lugar) a “Western”, de Valeska Grisebache o Prémio de Realização foi para “Barbara”, de Mathieu Amalri.

Estiveram também a concurso, na secção Las Nuevas Olas, que é dedicada a “novas forças do cinema e a veteranos fora de série”, “Colo”, de Teresa Villaverde, na área de ficção, e o documentário “Tarrafal”, de Pedro Neves, na área de não-ficção. Outras coproduções franco-portuguesas como “Milla”, de Valerie Massadian, distinguido recentemente com o grande prémio do DocLisboa e “9 Dedos”, do francês F.J. Ossang, premiado este ano no festival de Locarno, estiveram também presentes do festival andaluz.

O festival, com o seu certo cariz político, tem por objetivo promover o cinema de produção europeia, e homenageou ainda António Reis e Margarida Cordeiro com a retrospetiva “Lejos de las Leyes”, que decorreu ao longo de todo o certame, e encerrou com a projeção de “Mudar de Vida”, de Paulo Rocha (filme escrito em parceria com António Reis).