a despedida lulu wang

A diversidade venceu a 35.ª edição dos Independent Spirit Awards e Adam Sandler levou finalmente para casa o prémio de melhor ator, fazendo esquecer o facto de não ter sido nomeado para os Óscares, cuja cerimónia decorre na madrugada de hoje.

Os fãs do filme “Diamante Bruto”, de Josh e Benny Safdie, há muito reclamam o reconhecimento do trabalho do ator pela sua atuação enquanto Howard Ratner, praticamente desde os primeiros visionamentos em Toronto, no TIFF.

Nesta edição dos Indie Spirits, Sandler venceu aos seus colegas de profissão na categoria de melhor ator principal, a saber Chris Galust (“Give Me Liberty”), Kelvin Harrison Jr. (“Luce”), Robert Pattinson (“The Lighthouse”) e Matthias Schoenaerts (“The Mustang”).

Sandler recolhe duas vitórias na temporada de prémios, depois de ter vencido na categoria de Melhor Ator nos prémios da National Board of Review – os Óscares terão de ficar para outra altura.

Por outro lado, Adam Sandler não foi o único vencedor e a diversidade, menor previsibilidade e maior espírito artístico quer nas nomeações, quer nos vencedores, já garantiram mais pontos que os Óscares.

Numa cerimónia que teve lugar este Sábado em Santa Monica, Califórnia, pelo segundo ano consecutivo a apresentação esteve a cargo de Aubrey Plaza, que fez uma apresentação tão imaculada quanto divertida, acrescentando ainda o bónus dos números musicais.

 

As surpresas sucederam-se e “A Despedida” ganhou mesmo o prémio de melhor filme em detrimento de “Marriage Story” e de “Diamante Bruto”, vencedor de 3 prémios Spirit. A realizadora Lulu Wang acabou por destacar o papel das mulheres no cinema e de como já existem inúmeras na indústria, mas não em lugares de destaque.

A atriz Zhao Shuzhen, a estrela de 85 anos de “A Despedida”, venceu na categoria de melhor Atriz Secundária, deixando para trás na corrida a igualmente aclamada Jennifer Lopez. Ambas acabaram por não ser consideradas na lista dos Óscares, por isso os Indie Spirits ganha vantagem também neste campo.

No final, o estúdio A24 acabou por ser o grande vencedor, no cômputo geral, com três prémios atribuídos a “Diamante Bruto”, incluindo o de Melhor Realizador, dois a “A Despedida” e dois a “O Farol”.

O único outro título que também venceu em duas categorias foi “Marriage Story”, que levou para casa o Prémio Robert Altman e o de melhor argumento, para Noah Baumbach.

Até “A Despedida” ter ganho Melhor Filme, a cerimónia dos Indie Spirits parecia estar a seguir os parâmetros daquilo que têm sido a maioria dos prémios da temporada corrente.

“Marriage Story” ganhou no Argumento, Renée Zellweger na categoria de Melhor Atriz Principal por “Judy”, “Parasitas” na categoria de Melhor Filme Internacional, “Uma Fábrica Americana” no Documentário e “O Farol” na Melhor Fotografia e até aqui tudo se conjuga na tradição.

Marcante nesta edição dos prémios é a celebração da diversidade e do pensamento independente e crítico, com duas mulheres nomeadas para Melhor Realizador, Alma Har’el com “Honey Boy” e Lorene Scafaria com “Ousadas e Golpistas”.

Vê também: Os 30 Filmes Mais Antecipados de 2020 para a equipa do Cinema Pla’net

Por outro lado, as nomeações não se resumiram ao domínio caucasiano de outros prémios e  incluíram Hong Chau e Alfre Woodard para Melhor Atriz, Kelvin Harrison Jr. para Melhor Ator e Taylor Russell, Jennifer Lopez e Octavia Spencer na categoria de Melhor Atriz Secundária.

Aqui fica a lista de vencedores na sua totalidade:

Melhor Filme – “A Despedida”

Melhor Realizador – Benny Safdie, Josh Safdie (“Diamante Bruto”)

Melhor Atriz Principal –Renée Zellweger (“Judy”)

Melhor Ator Principal – Adam Sandler, (“Diamante Bruto”)

Melhor Atriz Secundária – Zhao Shuzhen, (“A Despedida”)

Melhor Ator Secundário – Willem Dafoe, (“O Farol”)

Melhor Argumento – Noah Baumbach, (“Marriage Story”)

Melhor Edição – Ronald Bronstein, Benny Safdie, (“Diamante Bruto”)

Melhor Documentário – “Uma Fábrica Americana”

Melhor Fotografia – Jarin Blaschke, (“O Farol”)

Melhor Primeiro Filme – “Booksmart: Inteligentes e Rebeldes”

Melhor Primeiro Argumento – Fredrica Bailey, Stefon Bristol, (“See You Yesterday”)

Prémio John Cassavetes – “Give Me Liberty”

Prémio Robert Altman – “Marriage Story”

Melhor Filme Internacional – “Parasitas”

Prémio dos Produtores – Mollye Asher

Prémio Alguém em Quem Ficar de Olho Em – Rashaad Ernesto Green, (“Premature”)

Prémio Mais Real que a Ficção – Nadia Shihab, (“Jaddoland”)

Prémio Bonnie – Kelly Reichardt