O muito aguardado “Joker”, do realizador Todd Phillips foi o vencedor do galardão máximo da 76.ª edição do Festival de Cinema de Veneza. Este é um ano atípico para um dos mais importantes festivais de cinema da Europa e o próprio facto de o filme ter sido incluído na mostra já tinha causado admiração inicial.

Veneza é a fogueira das melhores vaidades do cinema mundial e “Joker” está muito associado a histórias de super heróis e suas antíteses. Esse mundo ainda está muito apartado deste tipo de certames, mesmo tendo em conta que este também não é um típico filme daquele universo, como o próprio realizador fez questão de esclarecer anteriormente.

Vê também: Diretor do festival de Veneza afirma que “Joker” deveria ser nomeado para os Óscares

No mundo do cinema, existem 3 festivais maiores que se sobrepõem a todos os outros, Berlim em fevereiro, Cannes em maio e Veneza em setembro. Por esta altura, estreiam-se os mais antecipados filmes da rentreé, onde se contam  “Ad Astra” de James Gray ou “About Endlessness”, de Roy Andersson.

“Joker” ganhou, assim o Leão de Ouro para Melhor Filme, batendo “An Office and a Spy” (“J’Accuse”, no original), de Roman Polanski, que ficou em segundo com o Grande Prémio do Júri, entregue pelo coletivo liderado pela realizadora argentina Lucrecia Martel.

Joker

Depois da cerimónia de entrega dos prémios, o membro do Júri Mary Harron disse sobre “Joker”:

Pegaram na mitologia de uma banda desenhada que já tinha sido feita de tantas maneiras e deram-lhe a volta e revitalizaram-na para o agora

O mesmo membro explicou ainda ter ficado impressionada pelo brilhante desempenho de Joaquin Phoenix, mas que as regras impedem que seja possível entregar a “Joker” em simultâneo os prémios do Leão de Ouro e o de Melhor Ator.

O realizador Todd Phillips, no seu discurso de agradecimento na receção do prémio, deixou palavras à:

Warner Bros. e DC por saírem das suas zonas de conforto e por apostarem numa jogada tão ousada comigo e com este filme.

Sobre a estrela do filme, Joaquin Phoenix, que se juntou a Phillips em palco, o realizador disse:

Não existe filme sem Joaquin Phoenix. Joaquin é o leão mais destemido e brilhante e com a mente mais aberta que eu conheço. Obrigada por me confiares com o teu insano talento.

O lote dos vencedores inclui ainda o prémio para Melhor Realizador, que coube a Roy Andersson com “About Endlessness”, o de Melhor Atriz para Ariane Ascaride em “Gloria Mundi”, Melhor Ator para Luca Marinelli em “Martin Eden” e Melhor Argumento para “No. 7 Cherry Lane”.

Um prémio especial do Júri foi ainda atribuído a Franco Maresco por “The Mafia Is No Longer What It Used to Be” e Julie Andrews e Pedro Almodóvar receberam Leões de Ouro Honorários pelas suas inúmeras contribuições para o cinema.

Joker

A 76.ª edição do mais antigo festival de cinema do mundo terminou ontem, Sábado, depois de 11 noites de estreias mundiais. Apesar de algumas controvérsias iniciais relacionadas nomeadamente com declarações de Martel, o festival decorreu sem mácula, convidando inclusive manifestantes contra as alterações climáticas para o tapete vermelho.