Os 7 de Chicago | (Des)ordem no tribunal de Aaron Sorkin

Os 7 de Chicago” é o mais recente drama de Aaron Sorkin, com um elenco e argumento que não deixam ninguém indiferente.

Acabado de estrear na Netflix, “Os 7 de Chicago” é um filme realizado e com o argumento de Aaron Sorkin. Sorkin conta no cúrriculo vários argumentos de sucesso como Jogo da Alta-Roda“, “Uma questão de Honra” ou “Moneyball – Jogada de Risco“. Chegou mesmo a vencer um Óscar graças ao argumento de A Rede Social“.

Já desde cedo que “Os 7 de Chicago” prometiam ser um grande filme. Começando pelo realizador, que originalmente seria Steven Spielberg, mas que teve que passar a pasta. Aaron Sorkin, que também tinha a seu cargo o argumento, acabou por ficar na realização também. Quanto ao elenco, não faltam brilhantes actores: Joseph Gordon-Levitt, Eddie Redmayne, Yahya Abdul-Mateen II, Sacha Baron Cohen, Daniel Flaherty, Michael Keaton, Noah Robbins, Mark Rylance… Torna-se dificil de imaginar este filme com actores desconhecidos ao público, tal como era previsto.

Vê também: “The Haunting of Bly Manor” é um romance gótico perfeitamente esplêndido!

Sorkin acabou por contar esta história saltanto na cronologia dos eventos. Vemos os três grupos principais – os Estudantes por uma Sociedade Democrática, o Partido Internacional da Juventude, e a Mobilização Para Acabar Com a Guerra no Vietname a sensibilizar as multidões para acabar com a guerra. Saltamos logo para as cenas no tribunal e de repente, já estamos a ver o confronto com a polícia. Para quem não sabe a história original, esta narrativa acaba por ser um pouco confuso, cansativa até.

Ainda assim, este filme merece toda a nossa atenção pelas questões sociais que toca. A cena do tribunal onde Bobby Seale (aqui interpretado por Yahya Abdul-Mateen II) discute violentamente com o juiz Julius Hoffman (Langella) e acaba por ser “silenciado” à força foi, sem dúvida, muito desconfortável de ver. Langella deu o seu melhor para interpretar este juíz horrível, tanto que sempre que falava causava repulsa no próprio tribunal.

Vê também: “Massacre no Texas” (1974) – Um Assalto aos Sentidos

Num elenco cheio de estrelas, é dificil dar destaque a só uma pessoa, até porque todos estiveram incrivelmente bem. No entanto, Sacha Baron Cohen deu a este filme um tom mais leve e cómico com o seu Abbie Hoffman. É uma escolha arrojada para um drama baseado em factos reais, mas foi muito certeira. Já Eddie Redmayne foi uma escolha sólida para o papel de Tom Hayden. E sim, Redmayne trocou o seu sotaque britânico para o americano!

Os 7 de Chicago acabam por abordar muitas questões importantes como o direito ao protesto, violência policial, um sistema judicial corrupto e racismo. É importante relembrar que este filme é baseado em factos reais dos anos 60, mas facilmente podemos imaginar esta mesma história no presente. A falta de diversidade do elenco (quase todos homens) até joga a favor do filme, ajudando a perceber como é que os protestos eram feitos na época.

Adaptado de histórias verídicas, com um grande elenco e um q.b. de questões políticas e sociais – Os 7 de Chicago fazem check na lista de tópicos Oscar-style movies.  A gigante Netflix continua a manter uma excelente posição de destaque durante estas alturas de pandemia. E num ano muito atípico para ir ao cinema, é um alívio saber que as plataformas de streaming apostam em bons filmes.