CinemaDestaquesFestivais de cinemaNotíciasRealizador Pedro Costa triunfa no Festival de Locarno

Pedro Costa e o seu mais recente filme “Vitalina Varela” saíram triunfantes da 72ª edição do Festival de Cinema de Locarno, que chegou ao fim este Sábado, trazendo para casa o Leopardo de Ouro para o melhor filme. Para além do prémio atribuído ao realizador, a atriz principal, a cabo-verdiana de 55 anos Vitalina Varela, recebeu das mãos da realizadora francesa Catherine Breillat o Leopardo para melhor atriz. Esta é a segunda vez que Costa...
Cátia Santos Cátia SantosAgo 18, 2019

Pedro Costa e o seu mais recente filme “Vitalina Varela” saíram triunfantes da 72ª edição do Festival de Cinema de Locarno, que chegou ao fim este Sábado, trazendo para casa o Leopardo de Ouro para o melhor filme.

Para além do prémio atribuído ao realizador, a atriz principal, a cabo-verdiana de 55 anos Vitalina Varela, recebeu das mãos da realizadora francesa Catherine Breillat o Leopardo para melhor atriz. Esta é a segunda vez que Costa leva para casa o principal galardão de Locarno: em 2014 trouxe o Leopardo para melhor realizador com “Cavalo Dinheiro”.

Pedro Costa

Com a atribuição do Leopardo de Ouro a Pedro Costa, esta é a segunda vez nos 72 anos da história do festival que este prémio vem para Portugal, depois de Álvaro Morais o ter ganho em 1987 com o filme “O Bobo”.

O nome do realizador português Pedro Costa era um dos mais proeminentes na edição deste ano do festival na Competição Internacional, assinalada como a estreia de Lili Hinstin como diretora do certame.

Outros prémios na secção principal foram atribuídos a Park Jung-bum, com o filme “Height of the Wave” (Prémio Especial do Júri) e Damien Manivel como melhor realizador por “Isadora’s Children”, com o prémio para melhor ator a ir para Regis Myrupu, em “The Fever”, de Maya Da-Rin.

Na secção de realizadores promissores (Cineasti del presente), o Leopardo de Ouro foi para o realizador do Senegal Mamadou Dia pela sua estreia na realização com um filme sobre diferenças na família e radicalização islâmica, “Nafi’s Father”.

Vê também: Feminista Film Festival de regresso a Londres em setembro

O prémio para melhor realizador emergente coube a Hassan Ferhani, realizador Argelino, pelo seu documentário “143 Sahara Street”, enquanto que o prémio especial do júri foi atribuído a “Ivana the Terrible”, uma co-produção entre a Roménia e a Sérvia realizada por  Ivana Mladenović.

A seleção Piazza Grande, geralmente reservada para filmes que parecem apelar melhor aos sentidos de um público mais generalizado, foi notável na sua clara escolha na direção da programação por temas mais sombrios que no passado. O prémio da revista Variety, Piazza Grande, foi entregue ao filme que melhor conjuga visão artística com uma boa aproximação ao público em geral, “Instinct”, uma produção holandesa de Halina Reijn.

Pedro Costa

A programação de Hinstin para o seu primeiro ano no festival continuou a tradição do seu antecessor Carlo Chatrian, privilegiando filmes levados a cabo em zonas muito mais desafiantes do cinema mundial, embora as tradicionais  identidades das diferentes secções tenham parecido menos categorizáveis que no passado.

Segue abaixo a lista completa dos prémios atribuídos:

Competição Internacional

Leopardo de Ouro: “Vitalina Varela”, por Pedro Costa, Portugal

Prémio Especial do Júri: “Height Of The Wave”, Park Jung-Bum, Coreia do Sul

Leopardo para Melhor Realização: Damien Manivel com “Les Enfants D’isadora”, França/Coreia do Sul

Leopardo para Melhor Atriz: Vitalina Varela em “Vitalina Varela”, de Pedro Costa, Portugal

Leopardo para Melhor Ator: Regis Myrupu em “The Fever”, de Maya Da-Rin, Brasil/França/Alemanha

Menções Especiais: “The Science Of Fictions”, por Yosep Anggi Noen, Indonésia/Malásia/França, “Maternal”, de Maura Delpero, Itália/Argentina

Competição Realizadores do Presente

Leopardo de Ouro Cineastas do Presente: “Nafi’s Father”, de Mamadou Dia, Senegal

Prémio de Melhor Realizador Emergente: “143 Rue Du Désert”, de Hassen Ferhani, Argélia/França/Qatar

Prémio Especial do Júri: “Ivana The Terrible”, de Ivana Mladenović, Roménia/Sérvia

Menção Especial: “Here For Life”, de Andrea Luka Zimmerman, Adrian Jackson, Reino Unido

Secção Moving Ahead

Prémio Moving Ahead: “The Giverny Document” (Single Channel), de Ja’tovia M. Gary, EUA/França

Menções Especiais: “Those That, At A Distance, Resemble Another”, de Jessica Sarah Rinland, Reimp Unidoe/Argentina/Espanha, “Osmosis”, de Zhou Tao.

Primeiro Filme

Prémio Primeiro Filme: “Nafi’s Father”, de Mamadou Dia, Senegal

Prémio Peace Hotel: “The Dove And The Wolf”, de Carlos Lenin, México

Menções Especiais:  “Instinct”, de Halina Reijn, Holand, “During Revolution”, de Maya Khoury, Síria/Suécia

Leopardos do Amanhã – Competição Internacional

Leopardo de Ouro para Melhor Curta Internacional: “Black Sun”, de Arda Çiltepe, Turquia/Alemanha

Leopardo de Prata: “Umbilical”, de Danski Tang, EUA

Prémio Leopardo do Amanhã para Melhor Realização: “Leave Of Absence”, de Anton Sazonov, Rússia

Prémio Medien Patent Verwaltung Ag: “White Afro”, de Akosua Adoma Owusu, Gana/EUA

Leopardos do Amanhã – Competição Nacional

Leopardo de Ouro para Melhor Curta Suíça: “Mama Rosa”, de Dejan Barac, Suíça

Leopardo de Prata Swiss Life: “Tempête Silencieuse”, de Anaïs Moog, Suíça

Prémio de Melhor Estreante Suíço: “Terminal”, de Kim Allamand, Suíça

Prémio Piazza Grande: “Instinct”, de Halina Reijn, Holanda

Outros Prémios

Prémio Ecuménico do Júri: “Maternal”, de Maura Delpero, Itália/Argentina

Menção Especial: “Vitalina Varela”, de Pedro Costa, Portugal

Prémio FIPRESCI: “The Fever”, de Maya Da-Rin, Brasil/França/Alemanha

Europa Cinemas Label: “Maternal”, de Maura Delpero, Itália/Argentina