CinemaCríticas de CinemaDestaquesSe Esta Rua Falasse – Uma história sobre o amor e o racismo

Baseado no romance de James Baldwin, o filme ”Se Esta Rua Falasse”  realizado e adaptado por Barry Jenkins acompanha a personagem de Tish (Kiki Layne), uma rapariga de 19 anos, grávida, que luta pela liberdade do seu noivo: Fonny (Stephan James) após este ser preso por um crime que não cometeu. O filme é passado no bairro de Harlem, Nova Iorque, no início dos anos 70. Além da história de amor (que é narrada por...
Daniela Manaças Daniela ManaçasFev 20, 20199 min
Duração
120 minutos
Género
Drama, Romance
Estreia
21. FEV. 2019
Distribuidora
Big Picture
Overall Score
Rating Overview
Realização
85%
Argumento
80%
Fotografia
85%
Banda Sonora
85%
Direção de Arte
80%
Montagem
80%
Representação
80%
Rating Summary
If Beale Street Could Talk resulta num conjunto de artistas que são bons naquilo que fazem. Não é uma obra tão forte como Moonlight, mas não fica longe. O que James Baldwin fez com as palavras,  Barry Jenkins fez visualmente.

Baseado no romance de James Baldwin, o filme ”Se Esta Rua Falasse”  realizado e adaptado por Barry Jenkins acompanha a personagem de Tish (Kiki Layne), uma rapariga de 19 anos, grávida, que luta pela liberdade do seu noivo: Fonny (Stephan James) após este ser preso por um crime que não cometeu.

Se Esta Rua Falasse

O filme é passado no bairro de Harlem, Nova Iorque, no início dos anos 70. Além da história de amor (que é narrada por Tish) o filme também se foca na sua família e no racismo sendo este um dos temas ou, o tema principal da história.

«If Beale Street Could Talk» está nomeado para três óscares: Melhor Argumento Adaptado, Melhor atriz Secundária (Regina King) e Melhor Banda Sonora. No entanto, merecia nomeações em categorias como guarda-roupa e fotografia.

Sendo a fotografia um dos aspectos mais fortes do filme bem como toda a direção de arte, as cores, o guarda-roupa, adereços, caracterização dos espaços, tudo isto culmina num belo quadro que Barry Jenkins delineia tão bem. O realizador tem uma estética muito própria e é fácil comparar cenas deste filme com «Moonlight». (Vencedor do óscar de melhor filme em 2017).

Se Esta Rua Falasse

Também a banda sonora é um dos pontos altos do filme, já em «Moonlight» também o foi. Composta por Nicholas Britell em ambos os filmes.

Barry Jenkins decidiu manter a mesma equipa com quem trabalhou em ”Moonlight” e é por isso que conseguimos ver tantas semelhanças entre os dois filmes, não só a nível de realização como também no som e na fotografia.

A montagem molda o filme de forma quase natural, a história é contada a partir de narração e utiliza algumas “imagens arquivo”, a história parece estar dividida em várias partes. Ou seja, não existe apenas uma forma de contar a história, existem várias e a montagem trata muito bem a articulação entre estas.

Se Esta Rua Falasse

A nível de representação, apenas Regina George está nomeada para melhor atriz secundária  Apesar de não ser protagonista possui um grande papel na narrativa mesmo que esta seja mais focada no casal: Tish e Fonny que também surpreenderam pela positiva.

Não existem pontos fracos no filme. Existem escolhas que foram feitas a nível do argumento e da forma como se conta a história pelo realizador. Escolhas estas que podem não agradar a todos.

Barry Jenkins decidiu mostrar certos momentos da história e esconder outros. O que não é algo negativo, mas que poderá ser crucial para aqueles que gostam de uma narrativa linear e concisa. 

O realizador escolhe não mostrar cenas violentas, mas faz com que o espectador se aperceba que elas estão a acontecer. Um outro exemplo da incrível realização de Barry Jenkins é a forma que Tish conta que está grávida. Fá-lo umas quatro vezes no início do filme, e nunca nenhuma delas é igual. Quando uma informação é importante deve sempre ser referida mais do que uma vez mas nunca da mesma forma (como já dizia Hitchcock). Barry Jenkins fez exatamente isso.

Se Esta Rua Falasse

Se Esta Rua Falasse resulta num conjunto de artistas que são bons naquilo que fazem. Não é uma obra tão forte como Moonlight, mas não fica longe. O que James Baldwin fez com as palavras,  Barry Jenkins fez visualmente.

Sem dúvida um filme a não perder, estreia quinta-feira, dia 21 de fevereiro nos cinemas.

Daniela Manaças

Daniela Manaças

Daniela, 20 anos, Lisboa. Estudante de cinema nos ramos de argumento e montagem na Escola Superior de Teatro e Cinema. Frequentou a escola artística António Arroio onde tirou o curso de comunicação audiovisual com especialização em cinema.