Apesar de elevadas expectativas de receção, “Power Rangers”, de 2017, foi considerado apenas um medianamente divertido filme de ação. Não foi tão apreciado pelo público como se esperava. No entanto, uma sequela será desenvolvida.

A firma de investimento americana Saban Capital Group encarregava-se há muitos anos da produção de conteúdo respetivo dos Power Rangers, que são vistos no pequeno e grande ecrã desde os anos 90. Para surpresa de muita gente, a Hasbro, a empresa multinacional de brinquedos e jogos de tabuleiro, adquiriu os Power Rangers e outras marcas da Saban Brands no início deste ano pelo valor de 500 milhões de dólares.

O departamento de cinema da empresa, Saban Films, responsável pela produção de “The Homesman – Dívida de Honra”, de 2014, e “A Menina com Todos os Dons”, de 2016, deixará de estar associada aos Power Rangers.

Power Rangers
RJ Cyler, Naomi Scott, Ludi Lin, Dacre Montgomery e Becky G, o elenco de “Power Rangers”
Ver também: Crítica: “Power Rangers”, de Dean Israelite

Desta vez, a produção da sequela do filme de 2017 estará ao cargo da Hasbro Studios. A firma tem desenvolvido filmes respetivos aos seus produtos infantis ou de coleção. Entre eles estão os filmes dos franchises contemporâneos “Transformers” e “G.I. Joe”. O CEO e Presidente da mesma, o empresário americano Brian Goldner, confirmou a notícia. Disse ainda que “trabalhará com um estúdio”, não especificando se a Lionsgate estaria envolvida na distribuição novamente.

Power Rangers
Brian Goldner, o CEO e Presidente da Hasbro

Mesmo que não se saiba absolutamente nada acerca da sequela, a Hasbro anunciou que os respetivos brinquedos e jogos estarão disponíveis a partir da primavera de 2019. Supõe-se simplesmente que o quinteto original esteja de regresso.