Conteúdo Exclusivo:

Netflix Portugal, as estreias em Outubro 2022

O Outono está aí à porta e a traz...

VÓRTICE é o grande vencedor do Prémio SCML MOTELX

Já são conhecidos os vencedores da 16.ª edição do...

Diário de um Gigolô é baseada em fatos reais?

A nova série mexicana da Netflix intitulada de "Diário...

The Vigil – O Despertar do Mal: Até que a Morte os separe…

“The Vigil” é um filme de terror que foi lançado pela primeira vez no Toronto International Film Festival, chegando só agora a Portugal. Mas ainda bem que chegou… Este foi o filme com que Keith Thomas se estreou enquanto diretor (apesar de Firestarter ter estreado primeiro em Portugal) e honestamente, posso dizer que me apresentou algo que não estava à espera de ver.

The Vigil – O Despertar do Mal, o conto de terror judaico

“O Despertar do Mal” apresenta-nos a história de um judeu ex-hassídico, Yakov Ronen, cuja vida se encontra abalada por um misto de crise de fé, luto e doença mental. Em adição a estes obstáculos e a uma nova realidade com a qual tem dificuldade em se adaptar, Yakov é presenteado com um trabalho inesperado: ir velar um corpo de um membro da sua antiga comunidade. Infelizmente acaba por aceitar este trabalho por causa dos seus problemas financeiros (honestamente quem recusaria 400€ por uma noite de trabalho) … E como se diz em bom português: “Foi aí que se entornou o caldo”.

the vigil o filme

Não te esqueças de ver também:

No decorrer desta longa-metragem, acompanhamos Yakov nas 5 horas de velório e digo-vos já que o filme não se arrasta. Felizmente para mim (e para vós), este filme foge à regra de muitos dos filmes de terror que têm saído nos últimos anos, pelo fato de a ação não ficar reservada para os últimos minutos. Muito pelo contrário. Desde o início que a narrativa é intercalada com sustos e momentos de tensão de uma forma bem articulada, que nos faz querer saber mais enquanto nos faz “suar”. Preparem-se para não ter um momento de descanso… Não quero com isto dizer que o filme nos bombardeie com sucessivos jump scares, mas o oposto, criando continuamente momentos de tensão, os quais culminam em momentos de terror intensos. Obviamente que há alguns jump scares, mas são escassos e, na minha opinião, são justificados e bem executados.

the vigil olhar para a televisão

Algo que também me impressionou bastante, foi a incorporação da cultura judaica de uma forma tão intensa. No decorrer do filme, várias são as vezes em que as personagens falam iídiche, assim como contactamos com diversas práticas, tradições e vestimentas judaicas. Honestamente, não é algo que costume ver em filmes de terror (o terror sobrenatural tem como plano de fundo, maioritariamente o catolicismo), e fui surpreendido não só pela escolha de abordagem do realizador, como também pela execução.

O lado Técnico do filme

A nível técnico, considero que nenhuma das performances dos atores fosse má, salientando tanto Dave Davis (Yakov Ronen) e Lynn Cohen (Sra. Litvak) os quais estiveram bastante bem, sendo convincentes e contribuindo positivamente nas situações de maior intensidade.

cena do filme the vigil

As limitações orçamentais

Resumidamente, The Vigil – O Despertar do Mal é um filme que tem consciência das suas limitações (orçamentais) e não tenta compensar com CGI (mal feito como é frequente noutros filmes da mesma categoria), nem com violência extrema. Pelo contrário, abraça um terror mais minimalista, concentrando a ação praticamente toda numa só casa.

Desta forma, The Vigil – O Despertar do Mal consegue causar impacto na sua plateia, criando cenas intensas e assustadoras, complementadas com boas atuações e composições musicais (fundamentais para um bom susto). Considero este filme, uma lufada de ar fresco e um caminho na direção certa no que toca aos filmes de terror. Definitivamente não é o melhor filme de terror que já vi, mas certamente não será um filme que me esquecerei.

Mais Lidas

Melhores Séries Originais do Disney Channel

O Disney Channel acompanhou e acompanha várias gerações, decidimos...

Let’s Talk # 4 c/ Nuno Duarte (Jel)

A 4ª. Edição do Let’s Talk no Cinema Pla’net conta...

Blake Lively encontra-se em “Águas Perigosas”

Blake Lively fica encurralada por um tubarão num cenário...

10 Comédias Francesas deste Verão

A comédia francesa "Aluga-se Família" estreia inegavelmente esta semana....

As Melhores Listas

Os 5 melhores trabalhos como atriz de Florence Pugh

Florence Pugh é das estrelas de cinema mais populares...

Top 3 Astros do Cinema Que Amam Jogos de Casino

Os jogos de casino, como poker, blackjack e bacará,...

Lista de séries obrigatória para ver em 2022

A escolha é difícil quando a oferta é muita,...

Descubra 7 Comédias Francesas para ver este Verão

Destacamos as 7 Comédias Francesas que estão marcadas para...

12 melhores comédias francesas com Christian Clavier

Christian Clavier torna-se cada vez mais em sinónimo de...
Filipe Rodrigues
Filipe Rodrigues
Residente em Lisboa, 27 anos e farmacêutico de profissão. Desde sempre um apaixonado pela cultura com especial foco na 7ª Arte, Literatura e no gaming. Não me gosto de limitar apenas a um género, mas se tivesse de escolher o meu predileto seria o Terror.

Netflix Portugal, as estreias em Outubro 2022

O Outono está aí à porta e a traz novidades fresquinhas. Confere em primeira mão o que poderás adicionar desde já à tua lista,...

Os 5 melhores trabalhos como atriz de Florence Pugh

Florence Pugh é das estrelas de cinema mais populares atualmente, apreciada tanto pela crítica como pelo público. O próximo filme que vai protagonizar, Dont...

Como usar cashback em sites de apostas online

O cashback em sites de apostas e como ele funciona Ao navegar pelos melhores sites de apostas Portugal você encontrará a opção de ativar o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui