Em 2017, estrearam-se numerosos filmes (e séries) baseados em aclamadas obras literárias. O resultado nem sempre foi tão aclamado e em certos casos destruiu realmente o conceito da obra em que foi baseado.

Nestes dias é difícil encontrar um filme que seja baseado numa ideia totalmente original. Vamos facilmente encontrar prequelas e sequelas. Damos de caras com novas versões de filmes geniais de há 20 anos (ou mais). Sobretudo, vemos adaptações de livros que atingiram o topo dos livros mais vendidos.

Não é necessariamente algo mau, sempre houve adaptações de obras literárias. Aliás, até é uma categoria nos vários prémios de cinema. Muitos clássicos foram baseados em livros e, em alguns raros casos, o filme acabou por ser melhor que o livro – O Padrinho/The Godfather e Os condenados de Shawshank/The Shawshank Redemption são alguns exemplos. Mesmo assim, são casos raros.

A adaptação nem sempre funciona, e acabamos por dizer ao sair da sala: “Era bom, mas o livro é tão melhor”. Às vezes a re-leitura do livro é obrigatória para garantir que era mesmo bom, sendo o filme tão mau. É desses filmes que decepcionam que falamos.

7. O Boneco de Neve (2017)

O Boneco de Neve (Snowman) do autor norueguês de sucesso Jo Nesbø, é um dos excelentes “thrillers” liderados pelo detective Harry Hole, que investiga o desaparecimento de uma mulher. A única pista é um cachecol rosa à volta de um boneco de neve, que parece confirmar a presença de um assassino em série.

O filme tem tudo para dar certo. Uma trama policial com direito a toques sombrios no melhor estilo de Seven, feito por um realizador em ascensão (Tomas Alfredson) e protagonizada por uma estrela respeitada, Michael Fassbender. O realizador demonstra uma impressionante incapacidade em desenvolver ou esmiuçar a trama de forma a construir um envolvimento crescente.

Para além disso apresenta extrema dificuldade em desenvolver as suas personagens principais. O espectador não se consegue afeiçoar nem ao detective de Fassbender nem à agente novata interpretada por Rebecca Ferguson, sendo que ambos não formam uma dupla coesa como investigadores.