A estreia da sétima temporada de The Walking Dead gerou reclamações por causa de seu teor de violência, ao mostrar duas personagens principais sendo brutalmente mortas por Negan (Jeffrey Dean Morgan) com o taco de basebol Lucille.

Depois do sangrento primeiro capítulo, o restante da temporada foi bem menos violenta. O produtor executivo Gale Anne Hurd revelou em um painel NATPE, noticiado pela Variety, que isso ocorreu devido à reação dos fãs:

Publicidade

Nós diminuímos o tom dos episódios que ainda estamos a filmar do resto da temporada.

Entretanto, o diretor Greg Nicotero e o showrunner Scott M. Gimple dizem o contrário. Eles afirmaram à Entertainment Weekly que a mudança de tom nada teve a ver com a repercussão, revelando o objetivo de fazer a brutalidade de Negan muito maior do que as dos zombies.

The Walking Dead

Scott M. Gimple afirmou que:

A violência na estreia foi pronunciada por uma razão. O horror do que aconteceu com os personagens foi muito específico para esse episódio e o início de toda essa nova história. Eu não acho que esse é o nível de base de violência que necessariamente deveria estar no programa. Deve ser específico para uma história e um propósito, e havia um propósito de traumatizar esses personagens a um ponto em que talvez eles fossem dóceis para o resto das suas vidas, o que era o ponto de Negan. Mas vou dizer novamente, a violência na estreia foi para uma finalidade narrativa específica e eu nunca diria que essa é a quantidade de base de violência que iria mostrar na série. Se alguma vez vamos ver algo que se pronuncia, tem de haver um propósito narrativo específico para isso.

 

Greg Nicotero confirma que, se pudesse voltar no tempo, não mudaria nada.

Por mais brutal que aquele episódio tenha sido, ainda é parte da nossa bíblia de contar histórias, que é sobre o que é o mundo. Não acho que nós nos editaríamos nunca, e eu acho — mesmo depois de olhar para esse primeiro episódio novamente — por mais difícil que tenha sido para as pessoas assistirem, não acho que teríamos feito isso de forma diferente. Não acredito que nós alguma vez nos vamos  segurar. Definitivamente há uma diferença entre a violência contra os walkers e humanos ou na violência humana, mas, na verdade, estamos servindo a nossa história.