Há 30 anos, o mundo conheceu as maravilhas de The Karate Kid, uma trilogia que acompanhava as aventuras de Daniel LaRusso e Mr. Miyagi e que encantou gerações até aos dias de hoje. Agora, 30 anos depois, este legado regressa sob a forma de Cobra Kai.

The Karate Kid (ou mesmo O Momento da Verdade, como é também conhecido em Portugal) é inegavelmente um ícone do cinema dos anos 80. A memorável dupla composta pelo jovem e impetuoso Daniel LaRusso (interpretado por Ralph Macchio) e pelo sábio e humilde Mr. Miyagi (interpretado por Noriyuki ‘Pat’ Morita) são bem conhecidos e amados pela enorme relação de amizade entre ambos e pelas lições que o velho sensei passa ao seu aluno, que o ajudam a ultrapassar as provações da vida.

Publicidade

Cobra Kai

O primeiro filme foi o início de um legado que nunca desconfiaríamos que se mantivesse até aos dias de hoje. As sequelas que surgiram nos anos seguintes mantiveram a história bem forte, apesar dos seus altos e baixos. O mundo rendeu-se a uma das trilogias mais simbólicas de sempre. O filme The Next Karate Kid tentou introduzir a personagem Julie Pierce (interpretada por Hilary Swank). No entanto, a fraca receção fez com que uma possível nova série caísse por terra.

Vê também: Primer: um puzzle complexo que brinca com o tempo

Cobra Kai

Em 2010, o mundo viu uma hipótese de reviver o legado. O remake contou com a presença de Jackie Chan e Jaden Smith numa história reminiscente do primeiro The Karate Kid. No entanto, desta vez em cenários chineses e lidando com Kung Fu ao invés de Karate. Apesar de não ter sido considerada uma má adaptação, não foi o suficiente para ultrapassar a história clássica dos anos 80.

Cobra Kai

Então, a YouTube Red apresentou ao mundo Cobra Kai. A série que prometia reviver o espírito de The Karate Kid e trazer de volta algumas das personagens mais marcantes da trilogia inicial. Pessoalmente, recebi a notícia da vinda desta série de nariz torcido e um medo enorme de ver uma das minhas séries de filmes favorita ser deitada abaixo e espezinhada. Contudo, à medida que ia vendo os primeiros minutos, mal sabia eu do quão errado eu estaria quando terminasse.

Cobra Kai

Cobra Kai é o regresso fiel e verdadeiro que estávamos à espera no universo de The Karate Kid. Trinta anos depois, é bom ver rostos familiares numa nova história que junta os princípios tradicionais do Karate e os modernismos da vida atual de uma forma tão autêntica, que é impossível não adorar cada momento. A série de dez episódios traz à tona Ralph Macchio como Daniel e William Zabka como Johnny Lawrence, rival do protagonista no primeiro filme.

Nesta nova história, acompanhamos desde o início a personagem de Johnny. Um homem acabado, com um emprego e uma vida que odeia, e aparentemente sem rumo. No entanto, quando conhece um jovem rapaz chamado Miguel Diaz (interpretado por Xolo Maridueña), de quem salva de uns arruaceiros, Johnny vê uma oportunidade para regressar às origens e trazer de volta o Cobra Kai, o estilo de Karate que lhe fora ensinado pelo seu sensei John Kreese trinta anos antes.

Cobra Kai

Mais do que uma história renovada, Cobra Kai é uma série que presta uma clara homenagem à trilogia anterior. A história de Lawrence e Diaz é uma versão mais distorcida da história de Daniel e Miyagi. Conta com Lawrence a ensinar ao seu primeiro aluno “o caminho do punho“, e a incitá-lo a “atacar primeiro“. É interessante ver a dinâmica entre professor e aluno, e a forma como os ensinamentos ajudam na confiança de Diaz. Levam-no a confrontar os seus medos, acabando por trazer ao seu dojo a popularidade de antes.

Mas esta não é uma história de um só lado. O que torna Cobra Kai tão interessante é a forma como as visões de Daniel e Lawrence entram constantemente em conflito, levando-nos a passar tempo suficiente com ambos para perceber os seus pontos de vista e compreender as suas motivações. Ao fim de alguns episódios, torna-se difícil considerar algum dos dois como vilão.

Cobra Kai

Como homenagem à trilogia dos anos 80, referências não faltam. Mas são entregues de uma forma tão subtil, que somente os fãs mais conhecedores conseguem detetá-las todas. Desde os discursos de Lawrence (que espelham os de Kreese), até ao encontro de Diaz com a filha de Daniel, Samantha (no qual o casal percorre os mesmos lugares onde Daniel e Ali foram no seu primeiro encontro), passando pelos diversos momentos no torneio do último episódio e inúmeros diálogos e ensinamentos, todos estes call backs fazem-nos recordar as melhores cenas da trilogia, e deixam-nos com uma muito confortável sensação de nostalgia.

Cobra Kai

O aspeto mais negativo que posso apontar nesta série é a sua curta duração. São dez episódios que chegam aos 40 minutos, e apesar de a história nos ser entregue de forma bem equilibrada e com um bom ritmo, ficamos sempre com aquela sensação que mais podia ser contado. No entanto, o enredo é cativante e acompanha muito bem o desenvolvimento das personagens principais. Demonstra igualmente bem como os eventos que se vão desenrolando as afetam. Mas é certo que muito fica em aberto. A cena final deixa-nos tanto em choque como expectantes que a segunda temporada chegue o mais depressa possível.