Cruella” conta a origem de uma das mais notórias vilãs da Disney e chega no dia 27 de maio aos cinemas e dia 28 ao Disney+!

Publicidade

Cruella” mostra-nos o lado mais humano da personagem enquanto acompanhamos a sua transformação na vilã que conhecemos do filme original.

Lançado em 2014 pela Disney, “Maléfica” conta a história do clássico da “Bela Adormecida” pela perspetiva da vilã (interpretada por Angelina Jolie). Com o sucesso deste filme, e uma crescente popularidade dos vilões no mundo do cinema, chega agora o filme “Cruella”, uma prequela que se foca na história da personagem antes do filme original dos “101 dálmatas”.

Em “Cruella”, assistimos à transformação de Estella na conhecida Cruella De Vil (interpretada por Emma Stone, vencedora do Óscar de Melhor Atriz Principal pelo filme “La La Land“), acompanhando o seu crescimento e o conflito interior entre as duas personalidades.

Ver também: Spiral – O Novo Capítulo de Saw | O que a saga precisava…

Ao longo do filme, a personalidade de Cruella torna-se cada vez mais evidente através da rivalidade que se cria entre ela e a rainha da moda de Londres, A Baronesa (interpretada por Emma Thompson). Embora no início a interação entre as duas seja muito semelhante ao filme “O Diabo veste Prada”, rapidamente vemos ambas a recorrer a métodos mais ousados numa tentativa de sair vitoriosas.

No final, vemos a personagem a assumir por completo a personalidade de Cruella e a deixar para trás Estella, tornando-se na vilã que todos conhecemos. Ela é ainda acompanhada por Jasper/Gaspar (interpretado por Joel Fry) e Horace/Horácio (interpretado por Paul Walter Hauser), deixando assim as personagens próximas de onde as primeiro conhecemos no filme original.

Ver também: Minari | Lições de vida universais, por Lee Isaac Chung

Dada a importância da moda na história do filme não seria de esperar menos do que um guarda-roupa marcante. Assim, Jenny Beavan merece destaque pelos inúmeros conjuntos que desenhou (47 apenas para Emma Stone), que embora diferentes, mantêm o estilo das personagens e contribuem para o seu desenvolvimento bem como o desenrolar da história.

De facto, ao longo do filme somos transportados para o mundo de “Cruella“, não só pelo guarda-roupa, mas também pela banda sonora. Estas duas fortes escolhas criam uma atmosfera ideal para fazer com que o espectador entre no mundo do filme, contribuindo assim para a identidade e individualidade do mesmo.

Ver também: Manual da Boa Esposa | Os ventos da revolução feminista

Embora o filme tenha um bom elenco secundário, não há como negar que as grandes estrelas do filme são Emma Stone e Emma Thompson. Ambas fazem um ótimo papel em personagens que facilmente se tornariam caricatas, sendo isto particularmente verdade para Emma Stone. De facto, Stone consegue transmitir pela sua atuação a diferença entre Estella de Cruella bem como tornar a personagem mais humana e assim destacar-se das versões anteriores da vilã.

O filme tem ainda as várias referências ao filme original. Mais propriamente, a amizade entre Cruella e Anita Darling (interpretada por Kirby Howell-Baptiste) bem como algumas cenas entre Cruella e Roger (interpretado por Kayvan Novak). Para os fãs do filme original, recomendo que fiquem durante os créditos pois serão presenteados com uma cena onde Anita e Roger recebem respetivamente Perdita e Pongo, enquanto Roger canta ao piano a música do filme original.

Outro detalhe interessante que relembra o filme original é uma cena onde, se prestarmos com atenção, vemos cães e donos muito semelhantes aos que vemos no filme original quando Roger e Pongo vão ao jardim.

Ver também: Godzilla vs Kong | Duelo de titãs para o maior ecrã possível

Como ponto fraco do filme, terei de considerar o guião. Embora a história seja interessante e se desenrole a um bom ritmo, senti que abstraí do filme perto do final através da forma como o conflito foi resolvido. Adicionalmente, acho que teria sido interessante haver um maior foco na dupla personalidade da personagem e no conflito interior entre Estella e Cruella. No entanto, percebo que o filme não tenha ido demasiado para esse lado mais psicológico pois iria enfrentar comparações com “Joker” de Joaquim Phoenix.

Em suma, “Cruella” é uma origem interessante de uma das maiores vilãs da Disney que consegue integrar de forma orgânica na sua história diferentes referências ao filme original. De realçar o papel que o guarda-roupa e a banda sonora representam no filme!

“Cruella” encontra-se em exibição nos cinemas e também na Disney+ em Acesso Premium.