À medida que abordamos o tão esperado IT, peço que considerem esta questão: vale a pena comparar a minissérie e esta nova versão?

Para mim, a resposta é não. Antes de “saltar para o esgoto”, penso que vale a pena notar que fui um devorador do livro e da minissérie da ABC desde meados da década de 1990.

Deixem-me também dizer que estou tão feliz por a versão de Andy Muschietti “IT” existir e ter estreado finalmente no dia 14 em terras nacionais. Na verdade, vi a ante-estreia no MotelX, e fui a rigor, vestido do Pennywise Original.

© MotelX

3. Minissérie: “IT” (1990)

Estou bem ciente das falhas que existem na minissérie dos anos 90. Essas falhas (assim como os sucessos) foram discutidas em grande extensão entre o fãs e além, por isso eles não terão muito tempo de antena aqui. Eu não estou aqui para convencer que a minissérie é óptima ou porque eu sinto que às vezes tem uma má reputação. Em vez disso prefiro desafiar-vos a tentar apreciar tanto um como o outro para que possam obter mais deles.

A adaptação de Andy Muschietti não é um remake da minissérie de 1990. Ligar a um remake sugere que sua versão está utilizando a minissérie como seu material de origem. Mas como muitos de nós sabem, o material de fonte real é o livro de 1986 escrito pelo próprio Mestre, Stephen King. E enquanto os resultados finais da visão de Tommy Lee Wallace e da de Andy Muschietti são sem dúvida unificados na medida em que são adaptações fílmicas do trabalho escrito do rei, elas são inerentemente diferentes.

© Green/Epstein Productions

2. Quais as diferenças entre as duas adaptações?

© Green/Epstein Productions

Eles foram criados em diferentes épocas, em diferentes circunstâncias, com recursos drasticamente distintos, para um meio diferente e, finalmente, experimentados (pelo menos inicialmente em 1990) por um público diferente.

Vale a pena olhar mais de perto para essas duas últimas diferenças (média e audiência). As expectativas impostas a um filme destinado à televisão em rede (neste caso ABC) serão sempre diferentes das impostas a uma destinada ao teatro (particularmente se for dada uma classificação “R” nos Estados Unidos).

Além disso, tenha em mente que as audiências da TV no final da década de 1980 / início da década de 1990 ainda não estavam condicionadas à intensidade, à sexualidade e à violência na tela que agora aceitamos como um lugar comum graças a The Walking Dead e Game of Thrones. Mesmo em 1989, a epidemia da Sida ainda estava nas manchetes, por isso, a partilha de sangue no juramento de sangue da Lucky 7 do livro, por exemplo, obviamente, não iria voar na televisão.

Tommy Lee Wallace contornou alguns desses obstáculos ao aproveitar o horror de outras maneiras, muitas vezes dependendo menos de saltos/sustos e mais na criação de uma atmosfera perturbadora para contrastar as crianças e suas histórias. Algumas dessas sutilezas assustadoras são uma das razões pelas quais eu acho que a minissérie funciona.

No entanto, mesmo pelos padrões de hoje, a violência direta e a opressão contra as crianças são consideradas um pouco tabu. Felizmente para Muschietti, um dos presentes de ter um projecto teatral com uma classificação “R” é ter essa licença artística mais ampla para criar algo mais escuro e mais sinistro, para empurrar os limites ainda mais ao extremo. E acho que é essa quantidade e variedade de terror em um filme que pode determinar quem o público acaba por ser.

© Green/Epstein Productions

1. Vale a pena ver o filme de 2017?

© Green/Epstein Productions

Se é de uma geração mais antiga (pelo menos dos 80), viu a minissérie quando passou por duas noites em novembro de 1990 (pelo menos vi eu na Ilha Terceira, através da Base das Lajes) ou viu com a ajuda de sua loja de aluguer de video local. Em qualquer dos cenários, a nossa relação com a pequena tela e com a minissérie era uma parte importante dessa experiência de visualização inicial, bem como a nossa nostalgia por ela voltar atrás.

A nostalgia é uma emoção poderosa e pode entrar em jogo quando um filme que apreciamos desde sempre é interpretado de uma maneira nova. Mas em vez de sucumbir à noção meia-verdadeira de que a “nostalgia” é uma palavra suja ou emoção retrogressiva, aceito que, para muitos de nós, é uma das muitas razões pelas quais valorizamos a minissérie. É a génese de comentários como “Sim, mas ele não é Tim Curry“. Alguns não conseguem superar a idéia de ninguém além de Curry pode interpretar Pennywise. É nossa nostalgia de certos filmes e personagens que nos permitem aceitar suas falhas (talvez até simpatizar e apreciá-las) ao concentrar-se em suas forças – às vezes até o ponto de romantificá-las.

Por isso, se fores ao cinema (e aconselho vivamente a ir), peço que vás com a mente aberta, sabendo que não será um remake da minissérie, e sim, uma adaptação talvez mais fiel ao livro que a própria minissérie foi. Talvez seja um “problema” do nosso povo português em comparar as coisas, quando as mesmas não deviam ser comparadas, e este é um excelente caso.

Nota: Recomendo vivamente ler a excelente critica do Diogo Correia aqui no Cinema Pla’net da versão 2017 do “IT”, podes lê-la aqui.