A London Film and Comic Con tem-se tornado um dos maiores eventos em Londres no que diz respeito a convidados e este ano eu tive a oportunidade de estar lá todos os dias em nome do Cinema Pla’Net.

Não vou contar sobre os convidados com quem tive a sorte de entrevistar (irei contar sobre tudo isso nas entrevistas que irão sair em breve) mas sim sobre quem conheci por mero acaso e também da minha experiência nestes três dias.

Eu fui pela primeira vez a um destes eventos quando quis conhecer e tirar uma foto com uma das atrizes que mais me marcou no pequeno ecrã e que viveu uma das minhas personagens preferidas do sci-fi :Katee Sackhoff. Naquela altura este evento não tinha atingido as proporções que atingiu este ano. Quando cheguei na Sexta-Feira pelas nove da manha ao recinto do Olympia em Kensington já havia muita gente a fazer caminho para a entrada. Famílias, casais, amigos, todos juntos para viver as emoções de conhecer um ídolo, ou dois, ou de simplesmente apreciar o evento e fazer compras.

A energia neste local era contagiante!

Agarrei um mapa, sentei-me no café do piso de cima e pedi um cappucino porque sabia que isto iria requerer um plano de ataque. A maioria dos convidados, principalmente aqueles que tem contratos com a Disney não podem falar com a imprensa neste evento, não me facilitou a vida mas também não me impediu de seguir em frente e ir tentar.

Quando cheguei a mesa para entrevistar o Sasha Dhawan, com quem já tinha falado e feito um video, ele ainda não tinha chegado da sessão de fotos, foi então que o vi chegar com, nada mais nada menos que Finn Jones, o actor principal de Iron Fist e quem eu infelizmente não podia entrevistar, porem decidi ir ter com ele na mesma. Ele pediu imensa desculpa por não poder fazer entrevistas ao que eu respondi que era uma pena porque tinha óptimas perguntas, quando dei por ela estávamos a conversar desde Spotify playlists ate a sua paixão pela cidade do Porto. No final do dia entrei, as escondidas, na conversa com o elenco do Sons of Anarchy que foram quarenta e cinco minutos de pura risota devido ao humor irlandês de Tommy Flanagan!

Sábado foi o dia do caos! Nunca tinha visto tanta gente e já calculava que entrevistar os convidados iria ser bastante complicado porque todos estavam com imensas filas e quase sem tempo para descansar. Foi então que resolvi visitar a outra parte do evento: as bancas de banda desenhada. Imensos artistas desde a freelancers a grandes nomes. Entretanto recebi uma mensagem de um amigo meu ilustrador, que estava na banca de Heavy Metal a promover o seu ultimo trabalho assim como a sua graphic novel, e pediu-me para eu o ir visitar. Fomos para uma sala de comes e bebes, onde mais uma vez entrei as escondidas, e aproveitamos para conversar sobre o evento. Entretanto chegaram outros convidados da Banda Desenhada e entre eles alguém que me surpreendeu pela sua presença e boa disposição e que passado alguns minutos estávamos numa conversa sobre cinema e teatro. Não irei revelar para já quem era porem irão ficar a saber muito em breve!

Nada mais podia fazer neste dia a não ser marcar com os agentes entrevistas para o dia seguinte.

Chegou o ultimo dia… e com ele provavelmente uma certa nostalgia. Vivi tantas emoções anteriormente que quando cheguei ao evento e pensei que no dia a seguir não iria voltar senti-me triste. Fui ao segundo piso, zona dos livros, para tomar o café habitual onde acabei por ver o Benedict Cumberbatch a passear com os seus seguranças. Esta zona de livros e autores estava mais calma e aproveitei para visitar as bancas, muitas estavam originais e ate tinham actividades. Fui parada por um grupo de adolescentes que estavam curiosas em relação a minha t-shirt ( I Wish I Wrote Hamlet, quote do escritor Lin-Manuel Miranda). Sorri, troquei contactos no Twitter e segui para visitar e conversar com mais autores. Voltei a encontrar o meu amigo ilustrador que me perguntou se eu queria ir com ele visitar o Pilou Asbæk (Guerra dos Tronos e Ghost In The Shell) para lhe entregar o desenho que tinha feito dele. Pilou foi uma enorme surpresa! Estando habituada a vê-lo como um dos vilões em Guerra dos Tronos que ao deparar-me com tanta simpatia, energia e boa disposição até fiquei sem palavras. Estivemos a conversar sobre a experiência dele a trabalhar com alguém como Scarlett Johansson e como ele gostou de explorar a sua personagem Batou, assim como voltar para uma possível sequela. Confesso que depois desta experiência, é impossível olhar para o Euron e pensar nele como vilão.

Depois do almoço tinha entrevistas marcadas e quando a hora se aproximou das 4/5pm senti mais uma vez aquela tristeza. Estava tudo a chegar ao fim… Encontrei o Michael Rosenbaum, quem tinha entrevistado na Sexta-Feira, que me veio dar dois abraços e dizer que tinha se divertido imenso! Mas havia uma pessoa com quem eu ainda não tinha estado, e queria muito! Fui ver onde ele estava a dar autógrafos e quando vi que só haviam 2 pessoas na fila ganhei coragem para lhe ir falar. Primeiro achei que ia ser deitada abaixo por seguranças antes sequer de lhe poder dizer “hello” mas quem estava comigo deu-me ainda mais coragem e eu sem pensar mais fui ter com ele. Mads Mickelsen é uma simpatia! Mesmo ao final do dia, depois de autógrafos e sessões de fotos, ele estendeu-me a mão e ouviu todas as, possivelmente, parvoíces que tinha para lhe dizer. Nao faltaram sorrisos da parte dele e muitos meus (psicóticos não tenho duvidas) e conversamos um pouco. Após este encontro chegou a altura de me despedir dos amigos que fiz neste evento, dos amigos que apareceram e de convidados que tive o prazer de entrevistar. Posso dizer com total certeza que ninguém a quem entrevistei ou tentei entrevistar foi arrogante ou mal educado. Receberam-me com imensa energia e responderam as perguntas com muito entusiasmo! Porem irei revelar tudo em breve!

Espero voltar a este evento e, quem sabe, vos irei encontrar por lá! A vida e feita destes momentos, encontros e troca de palavras.