O Melhor Ainda Está Para Vir | Quando a amizade fala mais alto

0
497

Os realizadores do hilariante “O Nome da Discórdia” estão de regresso com “O Melhor Ainda Está Para Vir”, uma comédia dramática sobre a verdadeira amizade.

Esta é uma comédia francesa que vale a deslocação à sala de cinema.

Em 2012, Alexandre de La Patellière e Matthieu Delaporte adaptaram ao cinema a sua própria peça de teatro, “O Nome da Discórdia”. A sua estreia na realização girava em torno de um grupo de amigos que ao longo de um turbulento jantar debate o nome do futuro filho de um deles. À medida que outros segredos são revelados, a hilariante comédia afirma-se como uma das melhores que o cinema francês nos ofereceu nos últimos anos.

Nomeado ao César de Melhor Filme, Melhor Argumento Adaptado e Melhor Ator Principal (Patrick Bruel), a comédia trinfou com uns bem merecidos Césares de Ator e Atriz Secundários para Guillaume de Tonquédec e Valérie Benguigui (que infelizmente faleceu poucos meses depois da cerimónia).

melhor ainda esta para vir 3

Nos anos seguintes, de La Patellière e Delaporte dedicaram-se aos argumentos de séries infantis e à adaptação televisiva de outra das suas peças, “Papa ou Maman”. Delaporte chegou até a realizar o thriller “Um Ilustre Desconhecido”, com Mathieu Kassovitz. Mas só em 2019, voltaram a reunir-se para a realização de um novo projeto: “O Melhor Ainda Está Para Vir”.

Indo de novo buscar Patrick Bruel e juntando-o a Fabrice Luchini, um dos atores mais prolíficos da atualidade em França (só em 2019 esteve presente em 4 filmes estreados nos cinemas portugueses: “Segunda Vida”, “A Biblioteca dos Livros Rejeitados”, “O Imperador de Paris” e “Alice e o Presidente”), “O Melhor Ainda Está Para Vir” segue a amizade de longa data entre César e Arthur, que devido a um mal entendido, um deles fica a pensar que o outro tem uma doença em fase terminal e tudo fará para cumprir os seus últimos desejos, quando na realidade é ele que se encontra nos últimos meses de vida.

 

Ver também: Let’s Talk #62 – Rémi Bezançon e “A Biblioteca dos Livros Rejeitados”

A partir desta premissa, os realizadores exploram o sentido da verdadeira amizade e o dilema das verdades mais duras, se devem ser enfrentadas ou permanecer na dormência, quando o tempo que nos resta é pouco.

O resultado é um drama com alguns bons momentos de humor, num ligeiro equilíbrio que apela à humanidade da situação, como tão bem o cinema francês sabe fazer, e que em mãos menos experientes poderia ter resultado numa comédia desenfreada mas esquecível.

 

E quem de melhor para os dois papéis principais que Bruel e Luchini, de novo juntos no grande ecrã 35 anos depois de “P.R.O.F.S.”, em que interpretavam dois professores subversivos, respetivamente um professor de letras e um professor de desenho, que se revoltam contra os restantes. A sua amizade tanto no ecrã como na vida real evoluiu e o resultado sente-se na maneira como desempenham os seus papéis, apoiados por um argumento inteligente, em “O Melhor Ainda Está Para Vir”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui